Marega: "Foi uma grande humilhação. Não conseguia jogar naquele campo"

Avançado maliano quebrou o silêncio em declarações à Radio Monte Carlo. Diz que os insultos racistas começaram no aquecimento e lamenta que o jogo não tenha sido interrompido.

Depois de ter reagido aos insultos racistas de que foi vítima no domingo, durante o jogo contra o V. Guimarães, que o levaram a deixar o campo em sinal de protesto, através da redes sociais e ainda meio a quente, Marega falou nesta segunda-feira à Radio Monte Carlo, francesa, e contou o sucedido no Estádio Afonso Henriques

As passagens mais importantes da entrevista:

"Senti-me muito mal, foi uma grande humilhação para mim. Fui para casa, vi os meus filhos, a minha família, passou e já pude sorrir um pouco. Recebi muitas mensagens, de todas as partes. Deram-me muita força e agradeço a todos pelo apoio."

"Os meus colegas de equipa não compreenderam a minha reação, mas ficaram chocados com o aquilo tudo que aconteceu. Foram reações de amigos, de colegas que me tentaram acalmar. Eles conhecem-me muito bem. Depois daqueles comportamentos muito duros, os meus colegas de equipa tentaram acalmar-me. Mas eu disse-lhes que não valia a pena. Não conseguia mais jogar naquele campo."

"Os insultos começaram logo no aquecimento. De início eram só umas três pessoas que estavam a insultar. Mas depois com um estádio inteiro, é impossível jogar assim. Fiquei chocado por serem os adeptos do Vitória de Guimarães, nunca julguei que algo deste género pudesse acontecer. Joguei no Vitória de Guimarães e sempre respeitei os adeptos e o clube. Tenho uma grande relação com eles. É uma cidade que me deu muito e um clube que me deu muito. Quando lá joguei ficámos em quarto lugar, fomos às provais europeias e por isso devo muito a este clube. Sempre que jogo contra eles sou saudado. Aliás, quando marquei golos contra o Vitória de Guimarães nunca os festejei, não sei o que aconteceu desta vez e porque Porque me magoaram desta maneira."

"O treinador Sérgio Conceição está comigo, ao meu lado e fez tudo para me acalmar. Tentou que eu continuasse a jogar. Eu gostava que o jogo tivesse sido interrompido. Gostava que o árbitro e a Liga tivessem outra atitude. Uma coisa são as mensagens contra o racismo, outra a ação que se passa todos os dias. É só para tirar fotografias, mais nada."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG