Manuel Fernandes: "Vi Bas Dost com sangue na cabeça, deitado no chão e a chorar"

O antigo futebolista Manuel Fernandes disse esta terça-feira em tribunal ter pensado que Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, se preparava para despedir o treinador Jorge Jesus na véspera do ataque à academia de Alcochete.

"Tivemos uma reunião na véspera [da invasão] e o presidente disse uma frase que me fez pensar que ele se estava a referir ao despedimento do treinador", afirmou Manuel Fernandes, aludindo à pergunta de Bruno de Carvalho: "Amanhã, vamos estar todos na academia às 16:00, e aconteça ou que acontecer vocês estão comigo?".

Na sessão de segunda-feira, Ricardo Gonçalves, chefe de segurança da academia à data dos factos, também referiu a reunião de 14 de maio de 2018 e a afirmação de Bruno de Carvalho, um dos 44 arguidos que estão a ser julgados no tribunal de Monsanto.

Manuel Fernandes, que à data coordenava o departamento de scouting do clube, referiu em tribunal que nem todos os indivíduos que invadiram a academia do clube, em Alcochete, entraram no balneário onde foram agredidos futebolistas e elementos da equipa técnica. "Penso, pelo aglomerado de pessoas que vi, que houve muitos que não entraram no balneário. Quando entrei no balneário vi quatro ou cinco pessoas de cara tapada" a falarem com alguns jogadores, como Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Acuña", disse Manuel Fernandes.

O antigo internacional português revelou que viu à entrada do balneário "Bas Dost com sangue na cabeça, deitado no chão e a chorar", acrescentando não ter visto "quem o agrediu" e dizendo, mais tarde, que o avançado holandês "esteve caído no chão 10 ou 15 minutos".

Manuel Fernandes explicou que no trajeto entre o seu gabinete, à entrada do edifício, e o balneário, houve um indivíduo, que "levava um cinto na mão" e lhe disse: "Desvia-te Manel, que isto não é contigo".

O coordenador do departamento de scouting disse não ter visto "agressões", tendo presenciado apenas "gritos e intimidação verbal", qualificando o momento de "uma coisa muito feia".

Manuel Fernandes admitiu que, "a certa altura, ligou ao treinador Jorge Jesus a pedir para ir para casa", porque não se estava a sentir bem, tendo voltado depois, quando percebeu que os jogadores estavam a depor na GNR.

O coordenador do scouting do Sporting, que disse não conseguir identificar nenhum dos agressores, admitiu não ter visto Bruno de Carvalho na academia naquele dia, mas disse saber que "ele estava num gabinete, depois de ter chegado com o André Geraldes, uma hora e meia depois da invasão".

O antigo presidente do Sporting Bruno de Carvalho, um dos 44 arguidos do processo, voltou a marcar presença no tribunal de Monsanto, mas não prestou qualquer declaração aos jornalistas.

Fernando Mendes, antigo líder da claque Juventude Leonina e também arguido no processo, esteve igualmente esta terça-feira no tribunal, tendo afirmado à entrada que a sua presença na academia no dia da invasão "foi uma coincidência". O antigo líder da claque disse ter ido a Alcochete "para terminar uma conversa" com Jorge Jesus, iniciada dias antes, no aeroporto do Funchal, depois da derrota dos leões no terreno do Marítimo, para a Liga (2-1), que custou ao Sporting a possibilidade de conseguir a qualificação para a Liga dos Campeões.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...