Mack Horton recusa apertar a mão a rival chinês que acusa de usar doping

Cerimónia do pódio dos 400 metros livres dos mundiais de natação ficou marcada pela recusa do australiano em repartir momento com o vencedor da prova: o chinês Sun Yang.

O nadador australiano Mack Horton recusou partilhar o pódio dos 400 metros livres do Campeonato do Mundo de Natação com o chinês Sun Yang, por considerar que este entra em competição sob o efeito de substâncias dopantes.

Após o final da prova, em que ficou em segundo lugar, Mack Horton recusou-se a cumprimentar o nadador chinês ou a posar para a foto do pódio.

"Desrespeitar-me tudo bem, mas desrespeitar a China foi uma infelicidade. Sinto muito", frisou Sun Yang que em 2014 já cumpriu uma suspensão de três meses depois de um teste antidoping que acusou o consumo do estimulante trimetazidine, que Sun justificou como fazendo parte de um tratamento para o coração. Recentemente voltou a ser acusado de violar os protocolos dos controlos antidoping.

A inimizade entre esta dupla começou nos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro (Brasil) quando Mack Horton acusou o chinês de o ter empurrado numa sessão de treino. "Ignorei-o, não tenho tempo nem respeito para fraudes antidrogas. Só tenho problemas com atletas que deram positivo [nos testes] e ainda estão em competição", disse o nadador australiano na altura.

Em relação à prova deste fim de semana Horton salientou: "A frustração é grande. As suas ações e a forma como foi tratado falam mais alto do que qualquer coisa que eu possa dizer."

Já Sun disse estar consciente "dos rumores", mas limitou-se a dizer: "Vou continuar a esforçar-me na minha natação."

O campeão do mundo de 400 metros livres pela quarta vez consecutiva vai enfrentar em setembro uma audiência no Tribunal Arbitral do Desporto depois de a Agência Mundial Antidoping ter recorrido do arquivamento de uma acusação de doping.

Na semana passada o Daily Telegraph (Austrália) publicou um relatório de 59 páginas, referente a uma audência com especialistas antidoping da Federação Internacional de Natação, em que se contava que Sun Yang afirmou ter-se recusado a fazer um teste antidoping por ter dúvidas quando às credenciais dos técnicos responsáveis pelo exame.

Em 2016 as autoridades chinesas tinham exigido um pedido de desculpas por parte de Horton depois dos seus comentários, mas o Comité Olímpico Australiano defendeu o seu nadador alegando que este tinha "direito a expressar um ponto de vista". "Ele falou em defesa dos atletas limpos. Isso é algo que ele sente", salientou o COA.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.