Luís Filipe Vieira: "Estamos a perder 20 a 25 milhões de euros com a pandemia"

Em entrevista à BTV, o presidente do Benfica explica os efeitos do covid-19 e fala de outros temas do momento. "Se não houver competições europeias teremos um problema gravíssimo", avisa.

A três dias de o Benfica voltar a jogar para a I Liga depois de quase três meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, Luís Filipe Vieira, presidente dos encarnados, explica o momento atual do clube. O líder encarnado assume que a SAD já perdeu 20 a 25 milhões de euros por causa da paragem do futebol e deixa uma garantia: "Se não houver competições europeias teremos um problema gravíssimo."

Sobre o mercado de transferências, o líder dos encarnados explica que, se não fosse a pandemia, o Benfica faria este verão 200 milhões de euros apenas com a venda de dois jogadores. Quanto a contratações, descartou para já David Luiz e anunciou o regresso de um jogador formado no Seixal, quando ele tiver 27 anos. Só não disse quem.

O Benfica depois da pandemia

"A crise é bastante profunda, mas baixar ordenados não está nos meus planos. Antes fazíamos planos de dois a três anos, mas agora temos de começar a gerir o Benfica dia a dia. Hoje não sei se daqui a umas semanas vai continuar o campeonato ou se voltarão a haver competições europeias. Quando normalizar a situação, estaremos preparados."

Fontes de receita nesta altura

"Não há nenhum clube desafogado. Estamos preparados para os próximos cinco ou seis meses. Agora o objetivo é ter dinheiro para cumprir com as obrigações. É com a dinâmica e capacidade de trabalho que temos tido que vamos continuar. Se não houver competições europeias temos um problema gravíssimo. É uma das principais fontes de receita. Em situações normais temos capacidade de recuperar forte. Estamos a perder 20 a 25 milhões de euros com a pandemia".

Sobre a eventual venda de jogadores

"Os jogadores do Benfica tem um preço e não os venderemos. O que tínhamos planeado para esta época, já não vamos conseguir fazer. Se for preciso vamos avançar para um ou dois empréstimos obrigacionistas. A solução ideal é não haver mais paragens... Aí conseguiremos o nosso caminho. À data de hoje o Benfica não precisa de vender jogadores. Recebi proposta de 60 milhões de euros pelo Vinícius e não vendi, em janeiro. Se não fosse a pandemia, tínhamos dois jogadores vendidos no final da época por 200 milhões de euros e chegávamos às eleições sem dever um euro. Vamos ver se conseguimos recuperar."

Perigo de perder patrocinadores

"Nada está salvaguardado nesta altura em que vivemos. O futuro do Benfica foi preparado... Só foi possível estar como estamos porque fizemos um trabalho de casa nos últimos sete anos só com resultados positivos. Graças a esse trabalho conseguimos chegar aqui. Hoje somos o clube mais bem estruturado. No entanto, se esta a situação durar mais seis ou sete meses se calhar também teremos problemas. Só se tivermos uma situação drástica é que vamos tomar decisões drásticas."

O objetivo da OPA chumbada pela CMVM

"Eu tenho uma visão empresarial para o Benfica. Era a altura ideal, face ao dinheiro que tínhamos em caixa. Quando houve aumento capital, 24 mil pessoas subscreveram capital do Benfica e faltavam 20 milhões de euros, e houve pessoas que adiantaram o dinheiro. E o Benfica está grato a essas pessoas. A OPA foi chumbada por questões técnicas. Demos toda a informação à CMVM com toda a transparência. Sou sócio de José António Santos e nunca houve conflito de interesses... Eu nunca tive interesse pessoal. Não me podem apontar nada. Este projeto terá de ir para a frente, não sei se comigo ou com outra pessoa. O Ajax tem uma capitalização de 200 milhões de euros, a do Benfica é de 60 a 70 milhões de euros. Isso não é estranho? O Bayern, por exemplo, tem três investidores que são baluartes e o Benfica deve avançar para isso."

34,2 milhões de euros em comissões

"Outros que têm números aproximados e têm os resultados financeiros que têm. Há clubes que pagam 15 e 16% ao Jorge Mendes, nós nunca pagamos isso. Ele tem ganho dinheiro com o Benfica, mas nós também temos ganho rios de dinheiro com ele."

Investimentos de 20 milhões

"Temos um departamento de scouting de muita capacidade. Quando contratamos um jogador, a estrutura está toda comprometida com a vinda desse jogador. O Raúl de Tomás não houve engano até porque vedemo-lo por mais, o problema é que ele não se adaptou ao Benfica. Apesar do investimento, com Weigl, Vinícius, Pedrinho, temos a formação e não abdicamos dela. Não vendemos Jota e Florentino, nem emprestamos. Todos eles têm identidade com o clube porque se o mundo mudar eles estão ali e podem ser integrados. O Diogo Gonçalves e o Nuno Santos vêm fazer a pré-temporada. Temos de dar espaço aos jovens para crescer. Temos 15 jogadores de elite e se calhar, juntos na mesma equipa, lutavam pelo título."

Abordagem no próximo mercado transferências

"O Benfica tem uma equipa formada. Não precisamos de comprar caixotes de jogadores, mas para entrarem, tem de sair alguém. O Lema foi considerado o melhor central da Argentina. David Luiz? Falei com ele ontem, temos uma relação de pai para filho, ele ia com o empresário no carro e ia renovar com o Arsenal. É um grande profissional e tem de ganhar dinheiro, é impensável nós podermos pagarmos o que ele ganha em Inglaterra, 6 ou 7 milhões de euros líquidos. Se aos 35 anos tiver em perfeitas condições, então virá, mas por muito menos dinheiro. Há um desses miúdos que já me disse que não irá renovar contrato no clube onde está e que regressará ao Benfica, quando tiver 27 anos. Nome? Não digo... não posso."

Sonho de ser campeão europeu

"Para sonharmos com isso, temos de ter a base da equipa da formação. Essa é a minha convicção. Este ano podíamos ter passado a fase de grupos da Liga dos Campeões, mas com o nosso plantel temos de fazer mais e melhor. Sair com zero pontos é que não."

Sobre a continuidade de Bruno Lage

"Fez um trabalho fantástico no ano passado. Este ano começámos bem, mas depois tivemos um percalço a sério... Mas estou muito satisfeito com ele. É o treinador ideal para este projeto e vai continuar independentemente de ser campeão ou não. A não ser que aconteça alguma coisa que eu não sei explicar, mas às vezes acontecem no Benfica. Jorge Jesus? Sou amigo dele, temos uma grande relação. É um grande treinador... mas não garanto que daqui a alguns anos não venha para o Benfica. Ele deixou uma marca no clube. Neste momento, o Bruno Lage é o melhor treinador para o Benfica."

A perda da liderança em fevereiro

"Não foi por falta de empenho ou brio. Vi antes dos jogos começarem o empenho que tinham, mas depois foram para o campo e não correu bem... Acho que é uma situação ultrapassada. Para o Benfica até foi bom a paragem."

O regresso do campeonato

"Nem todos estavam interessados no regresso do campeonato. Se passarmos para o primeiro lugar, de certeza, que vamos querer que o campeonato termine. O problema é a Liga dos Campeões, mas se o campeonato não chegar ao final só o presidente da Federação Portuguesa de Futebol pode dizer quem vai às provas europeias."

Aliança entre Benfica e Sporting, segundo Pinto da Costa

"Foi um momento de ternura. No meu horizonte não está qualquer aliança para destruir outro clube, como já fizeram connosco. Ninguém imagina o que foi feito contra o Benfica, mas chegará o dia da verdade e a justiça irá chegar e ninguém nos condenará por algo que não fizemos. Viraram a minha vida ao contrário, mas não me desmotivam. A preocupação deles é eu estar à frente do Benfica. Estou cada vez mais determinado. Estou de consciência tranquila em todos os processos. Nunca mais vou esquecer da denuncia anónima da mala ciao... é ridícula. E quem a fez vem sempre do mesmo lado... Norte."

A saída da direção da Liga

"Não tenho nada pessoal contra o Pedro Proença. Eu apoiei-o na relação com a Federação. Houve uma carta que saiu da Liga em nome dos clubes para que os jogos em sinal aberto fiquei indignado porque não demos autorização. Soube da carta pela NOS e não pela Liga. Pinto da Costa diz que o Benfica criou um movimento na Liga? Deixe-o falar, um dia ele diz uma coisa, noutro diz outra."

A centralização dos direitos

"Em 2028 poderá haver uma centralização dos direitos de televisão, há um acordo entre todos, mas até lá há várias questões que têm de ser clarificadas."

A demissão de Luís Nazaré

"Sou muito amigo dele. Havia duas versões, ele queria uma e não abdicava disso e por isso saiu. Tem a ver com interpretação diferente dos estatutos. São apenas opiniões distintas."

O ato eleitoral de outubro

"Nem quero pensar nisso porque vamos passar por momentos complicados. E isso é importante para nós. Os outros candidatos? É sinal da vitalidade do clube. O Rui Gomes da Silva disse em vários locais, publicamente, que eu era o melhor presidente da história do Benfica. Mas ele está sempre a dizer mal do clube no programa onde está e, quando estava na direção, era o homem que me apoiava mais. Qualquer dia vai parar ao Porto Canal. Lavar roupa suja? Para isso não falo com ninguém, o meu passado está aqui."

Estratégia para as modalidades

"Não podemos gastar aquilo que não temos, mas é possível com, menos dinheiro ter o mesmo tipo de competitividade e se calhar com os mesmos jogadores. A exigência vai manter-se ou maior, mas a fasquia do dinheiro vai baixar."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG