Luis Enrique deixa a seleção espanhola por problemas pessoais

O anúncio foi feito pelo presidente da federação espanhola, que anunciou o até agora adjunto Robert Moreno como novo selecionador.

Luís Enrique deixou esta quarta-feira de ser o selecionador de Espanha. A revelação foi feita por Luis Rubiales, presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), em conferência de imprensa, na qual anunciou ainda que o substituto é o até agora adjunto Robert Moreno.

"Luis Enrique comunicou que não vai continuar como selecionador. Tenho de agradecer-lhe a forma como se comportou e nesse sentido disse-lhe que as portas da seleção estarão sempre abertas para ele", anunciou. O técnico deixa o cargo por razões pessoais que se vêm arrastando há alguns meses e que o têm impedido de orientar a equipa.

Robert Moreno, de 40 anos, vai assim passar de técnico interino a definitivo, depois de ter orientado a e seleção nos últimos três jogos. Trata-se de um homem de confiança de Luis Enrique, uma vez que esteve com ele nos anteriores projetos (Roma, Celta de Vigo e Barcelona). É formado em relações internacionais e especialista em scouting.

"Esta equipa demonstrou-nos valentia e queremos continuar com ela. Confiamos em Robert como selecionador e está agora com a missão de nos levar ao Europeu", frisou Rubiales.

Robert Moreno admitiu ser este um momento "mais agre do que doce". "Sempre pensei em ser treinador, mas nunca desta maneira", sublinhou, deixando uma garantia: "Vamos tentar ser honestos e fazer o trabalho como temos feito até agora, com Luis Enrique à distância. Vamos procurar engrandecer o trabalho que o Luis fez ganhando o próximo Europeu."

Entretanto, o jornal espanhol AS revelou a carta que Luis Enrique enviou à federação espanhola. Ei a mensagem na íntegra:

"Devido aos motivos me impediram desenvolver com normalidade as minhas funções como selecionador desde o passado mês de março e que continuam no dia de hoje, decidi deixar o cargo.

Todo o meu agradecimento aos responsáveis da RFEF pela confiança e a compreensão demonstrada.

Agradeço especialmente a todas as pessoas que fazem parte do staff e aos jogadores pelo seu profissionalismo. Sem esquecer-me dos meios de comunicação pela vossa discrição e respeito pela situação. Obrigado de coração".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.