Liverpool empata e desaproveita derrota do Manchester City

Equipa de Jurgen Klopp cedeu um empate caseiro 1-1 com o Leicester, que lhe permite ainda assim reforçar para cinco pontos o comando à 24.ª jornada da liga inglesa de futebol.

Depois do perseguidor Manchester City ter perdido na véspera por 2-1 em casa do Newcastle, o líder Liverpool até começou bem, com golo de Sadio Mané, no meio de muita gente, logo aos três minutos.

Apesar do forte domínio, os 'reds' viram o Leicester de Ricardo empatar aos 45+2, pelo defesa Harry Maguire, numa segunda bola em que apareceu sozinho frente ao guarda-redes.

O Liverpool comanda com 61 pontos, mais cinco do que o Manchester City e sete do que o Tottenham, que só perto do fim conseguiu inverter desvantagem caseira frente ao Watford para se impor por 2-1.

O central Cathcart colocou a equipa do suplente Domingos Quina na frente, aos 38 minutos, contudo, o sul-coreano Heung-Min Son empatou, aos 80, e o espanhol Llorente garantiu aos três pontos, aos 87.

Chelsea goleado

O Chelsea foi humilhado no terreno do Bournemouth com goleada por 4-0 construída na segunda parte, com 'bis' do avançado norueguês Joshua King (47 e 74), do galês David Brooks (63) e do defesa Charlie Daniels (90+5).

Os 'blues' foram alcançados pelo Arsenal no quarto lugar, com 47 pontos, mais dois do que o Manchester United e 12 do que o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo, que tem mais dois do que o Everton de Marco Silva.

Southampton e Crystal Palace empataram 1-1, mantendo-se nos lugares imediatamente acima aos três que valem a descida, com margem de quatro pontos de segurança.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.