Liderança sem alterações. Sporting sobe ao terceiro lugar

O FC Porto sofreu em Braga, o Benfica ainda mais na Luz para bater o Tondela. Mas venceram e continuam juntos no topo da classificação. Vitória em Chaves e derrota do Braga colocou leões no pódio.

O futebol voltou neste sábado após a paragem para o compromisso das seleções, com os quatro primeiros classificados a jogarem. No final do dia, na frente da classificação nada de novo, com os triunfos do FC Porto e do Benfica a deixarem os dois rivais em igualdade pontual na liderança (66, com vantagem para os da Luz no confronto direto). Mas no último lugar do pódio a jornada 27 trouxe alterações, com o Sporting a subir ao terceiro lugar após o triunfo em Chaves e a beneficiar da derrota caseira do Sp. Braga com o FC Porto - as duas equipas estão também com os mesmos pontos (58), mas os leões têm vantagem no confronto direto com os minhotos. Com esta derrota, o Sp. Braga praticamente colocou-se de fora da corrida pelo título.

O FC Porto sentiu dificuldades na deslocação a Braga, esteve duas vezes em desvantagem, mas conseguiu sair do Minho com os três pontos, num jogo que venceu por 2-3 e em que beneficiou de duas grandes penalidades, marcadas por Alex Telles e Soares. "Foi um jogo interessante, com cinco golos e o FC Porto a jogar à tarde, algo que já não acontecia há muito tempo, num estádio com uma moldura humana interessante. Foi um jogo entre duas das melhores equipas do campeonato nacional", disse Sérgio Conceição no final. Já Abel Ferreira, que foi expulso, considerou "muito duvidoso" o penálti que resultou no 2-2 do FC Porto. Em relação à expulsão, foi categórico: "É bem audível o que o Jorge Sousa diz. Ele diz: 'Não há bolas e vou dar sete minutos de desconto.' Eu disse-lhe isto: 'Quero ganhar o jogo também.' E ele expulsou-me."

O Sporting passou no teste em Chaves, um campo tradicionalmente difícil para os leões, vencendo a equipa de José Mota por 1-3. Os leões marcaram primeiro por Luiz Phellype e permitiram o empate numa altura em que jogavam com mais um jogador. Mas depois Bruno Fernandes fez o 1-2 num grande golo (o 14.º no campeonato e o 25.º da época) e Luiz Phellype bisou mesmo em cima do apito final, numa partida que teve 11 minutos de tempo extra. "Podíamos ter jogado melhor. Vencemos e estamos satisfeitos com a vitória, mas podemos jogar melhor do que isto", referiu Marcel Keizer no final do jogo. Já José Mota achou que o Desportivo de Chaves "merecia outro resultado" e deixou uma indireta à arbitragem: "Toda a gente ficou com dúvidas em vários lances."

Teoricamente, o Benfica tinha a missão menos complicada, pois recebia em casa o Tondela, que estava na 12.ª posição. Mas sofreu (e tremeu) muito - na memória dos adeptos ainda estava a derrota que os tondelenses impuseram em plena Luz na época passada. Bruno Lage apostou de início em Jonas, deixou Seferovic (regressado de lesão) no banco e as águias chegaram ao intervalo empatadas a zero. O VAR ainda anulou um golo a Jonas, por mão na bola de André Almeida, pouco depois do intervalo. No tudo por tudo, Lage ainda lançou o proscrito Adel Taarabt a 20 minutos do fim (foi a estreia oficial do marroquino pela equipa principal). Mas só aos 83 minutos a Luz suspirou de alívio, com o golo da vitória a surgir por Seferovic, num jogo em que o Tondela de Pepa vendeu muito, muito cara a derrota. "Foi um jogo muito difícil, mas com uma vitória justa. Mérito também do Tondela pela sua organização defensiva. Estou convencido de que se as bolas de um lado e do outro tivessem entrado o jogo podia acabar 4-2 ou 5-2", apontou o treinador do Benfica no final do jogo. Já Pepa disse que o Tondela não foi feliz: "Jogámos melhor do que no passado quando aqui vencemos. Conseguimos fazer aqui hoje o que não vi outra equipa fazer, ao criarmos tantas oportunidades de golo."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG