Lage diz que vai ver o jogo no meio dos adeptos e admite apostar em Jota

Treinador do Benfica está castigado e terá de ficar fora do banco no jogo desta terça-feira com o Leipzig. Algo que não lhe faz confusão: "Não sou de andar aos gritos e de um lado para o outro".

Bruno Lage terá de cumprir um jogo de castigo esta terça-feira na sua estreia na Liga dos Campeões, no Estádio da Luz, diante dos alemães do Leipzig - foi expulso por palavras dirigidas ao árbitro no jogo da Liga Europa com o Eintracht Frankfurt, da época passada. O treinador admitiu que gostaria de estar no banco, junto dos jogadores, mas disse confiar na sua equipa técnica e até anunciou o local onde vai ver a partida.

"A minha intenção é ver o jogo no meio dos adeptos, já que não posso estar no banco. Quero ver os adeptos a apoiarem-nos do início ao fim. Espero que não andem à minha procura para me filmar, porque os protagonistas são os jogadores. Será apenas diferente pela minha presença física. Sabem que a minha forma de estar não é estar aos gritos e a andar de um lado para o outro. Aliás, quando o Estádio da Luz cheio, com 60 mil adeptos, é praticamente impossível os adeptos ouvirem-nos. Importante é preparar os cenários. Não é um problema o treinador não estar no banco", referiu.

Mesmo sem abrir o jogo, Bruno Lage deu a entender que Jota, jovem avançado do Benfica, pode ser uma das opções para o ataque neste jogo com o Leipzig, atuando como segundo avançado atrás de Raúl de Tomás ou Seferovic: "Não vou responder, mas é uma pergunta bem feita. É uma possibilidade. Vai de encontro àquilo que é a nossa forma de jogar contra equipas que atuam com uma linha de cinco."

Questionado sobre a escassez de golos da dupla atacante - Raul de Tomás ainda não marcou e Seferovic só fez um golo - o treinador do Benfica desvalorizou o assunto. "Fala-se tanto disso que no outro dia até me esquecei que o Seferovic já tinha marcado um golo. Em relação ao Raúl já duas ou três bolas lhe chegaram para ele encostar para golo, mas os adversários marcaram na própria baliza. Não temos de fazer disso um problema. Aliás eu nunca toco nesse assunto com eles. Só lhes digo para não deixarem de correr", afirmou.

Contra o Leipzig, Lage diz que o Benfica tem de ter "uma boa organização defensiva e ofensiva". "É um adversário que gosta de ter bola, aproveitar a largura. Contra o Bayern de Munique utilizaram um sistema na primeira parte e outro na segunda, mas a forma de jogar foi semelhante. É um adversário muito competente", referiu, desvalorizando o facto de o treinador dos alemães ter dito que um empate na Luz poderia não ser um mau resultado: "A nossa ambição é sairmos para o jogo com intenção de o ganhar. O treinador adversário já percebeu que somos uma equipa muito competitiva, embora com estilos diferentes. Somos uma equipa perigosa, com jogadores fortes, e que cria muitas oportunidades de golo. Temos de entrar com mentalidade de vencer."

Julian Nagelsmann, treinador do Leipzig, recusou que a sua equipa seja favorita no jogo desta terça-feira diante do Benfica. "Não concordo inteiramente com isso. Há outras equipas que temos de respeitar. O rótulo de favorito tem de ser relativizado. O rótulo de favorito é posto pela comunicação social. Nós teremos de provar no campo que somos melhor que o Benfica", referiu o técnico esta segunda-feira em conferência de imprensa.

O Leipzig tem uma média de idades próxima dos 23 anos e o treinador concorda que numa competição como a Champions a experiência é importante. "É importante ter jogadores com experiência e nós temos um plantel com pouca. Mas vamos ter de a ganhar. E temos jogadores de qualidade para o fazer, que têm de crescer. Eles são profissionais e podem fazer aquilo de que gostam, por isso, não há que ter medo. Há que ter coragem, convicção e competência. Este é um desporto de grande paixão e os meus jogadores têm essa paixão", indicou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG