Um golo que abre caminho a 44 milhões de euros

Sérgio Oliveira resolveu o jogo com o Krasnodar ao cair do pano, com um grande golo de livre direto. Antes, o guarda-redes Marchesín brilhou. FC Porto tem a Champions mais perto.

89 minutos. Spajic fez falta à entrada da área sobre Zé Luís. Sérgio Oliveira assumiu a cobrança do livre direto e marcou de forma irrepreensível. Um golo que valeu o triunfo sobre o Krasnodar e deixou o FC Porto em muito boa posição de chegar ao play-off (fase que antecede a fase de grupos da Champions), mas antes ainda terá na próxima terça-feira o jogo da segunda mão, no Dragão. Um golo que, bem se pode dizer, abre caminho a um prémio de 44 milhões de euros, que é o valor que a SAD portista irá embolsar caso a equipa chegue à fase de grupos.

Uma das grandes novidades no primeiro jogo oficial do FC Porto desta época era a estreia do guarda-redes Agustín Marchesín, o argentino que chegou ao Dragão com a responsabilidade de substituir Iker Casillas. E após 80 minutos sem trabalho, o guardião que jogou como avançado até aos 15 anos mostrou toda a sua classe e impediu o golo dos russos, com uma grande defesa a remate do internacional francês Cabella. Dois lances determinantes no jogo e na vitória do FC Porto. E tudo em apenas 10 minutos. A defesa de Marchesín e o golo de Sérgio Oliveira.

Sérgio Conceição utilizou de início dois reforços - o guarda-redes Marchesín e o central Ivan Marcano - num onze com um meio-campo reforçado onde a principal novidade foi o jovem Romário Baró, que fez assim a sua estreia em jogos oficiais com a camisola do FC Porto depois de ter dado boas indicações na pré-temporada. Luís Diáz e Zé Luís, contratados neste verão, ficaram no banco; Saravia e Nakajima (o japonês n.º 10 portista) foram para a bancada.

Na primeira parte, o FC Porto teve duas boas oportunidades, diante de um adversário que tem na velocidade e na força os seus pontos fortes. Primeiro por Marega, aos 13 minutos, que isolado após uma boa assistência de Sérgio Oliveira rematou ao lado. E depois aos 24', com uma remate à meia volta de Corona que Safonov defendeu. No segundo tempo, os russos reclamaram grande penalidades, por mão na bola de Marcano. E de facto pelas imagens televisivas dá a sensação de ser...

Faltou sobretudo a este FC Porto o poder de explosão de Marega no ataque. O maliano foi titular mesmo sem ter feito qualquer jogo na pré-temporada (por ter chegado mais tarde devido à participação na Taça das Nações Africanas), mas não teve a preponderância habitual. Talvez a acusar alguma falta de ritmo. Já o jovem Romário Baró, em dia de estreia em jogos oficiais, tentou não comprometer, apesar de ter perdido algumas bolas. Mas viu um amarelo aos 48' e talvez por isso tenha sido substituído por Luís Diáz pouco depois.

O jogo ficou ainda marcado por uma curiosidade, pois nos bancos de uma e outra equipa não estava nenhum dos treinadores principais. Sérgio Conceição por estar a cumprir um jogo de castigo e Murad Musayev está suspenso um ano pela UEFA por ter orientado a equipa na época passada sem as devidas habilitações. Assim, coube aos respetivos adjuntos dar as indicações.

A FIGURA: SÉRGIO OLIVEIRA

Num jogo partido, não houve assim uma figura que se destacasse. Por isso a figura acabou por ser Sérgio Oliveira, sobretudo pelo golo que marcou de livre direto mesmo ao cair do pano que valeu a vitória dos dragões. Antes, mostrou bons pormenores no meio-campo e fez uma grande assistência na primeira parte a isolar Marega, mas o maliano atirou ao lado. Foi o 10.º golo de Sérgio Oliveira com a camisola do FC Porto, ele que não marcava há oito meses - o último tinha sido também nas provas europeias, diante do Galatasaray.

FICHA DO JOGO

Jogo no Estádio do Krasnodar.

Krasnodar - FC Porto, 0-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores: 0-1, Sérgio Oliveira, 89 minutos.

Krasnodar: Safonov, Ramírez, Spajic, Martynovich, Petrov, Tonny Vilhena, Kambolov (Fjoluson, 72), Cabella, Namli (Suleymanov, 66), Wanderson e Marcus Berg (Ari, 62).

FC Porto: Marchesín, Manafá, Pepe, Marcano, Telles, Danilo, Sérgio Oliveira, Romário Baró (Luís Diaz, 54), Corona (Otávio, 85), Marega, Soares (Zé Luís, 74).

Árbitro: Tobias Stieler (Alemanha).

Ação disciplinar: cartões amarelos para Kambolov (28), Danilo (38), Romário Baró (49) e Corona (63).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.