Keizer feliz, Lito revoltado

Treinador do Sporting gostou do desempenho da equipa. Vidigal revoltado com o penálti que decidiu o jogo

Marcel Keizer era um treinador feliz após um triunfo feliz do Sporting no Bessa - golo de penálti de Bruno Fernandes aos 90'+3'.

"Sim, estou feliz com maior parte do jogo, mas como disse na semana passada, penso que estamos a melhorar no passe e foi por isso que criámos oportunidades. Devíamos marcar mais, mas fico feliz com este progresso. Apenas não gostei do primeiro livre e do golo sofrido, que complicou o jogo", começou por dizer o holandês.

"Temos jogadores que nunca desistem. Há dias em que estás bem e há dias em que estás mal, mas eles nunca desistem e é disso que gosto no Sporting", apreciou o treinador.

"Nada mudou, aconteceu apenas [golo do Boavista]. Nessa altura soubemos que tínhamos de marcar pelo menos dois golos, mas tínhamos 90 minutos para o fazer. Os jogos fora são sempre mais difíceis, mas mantivemos o nosso momento, tranquilos e deixámos a bola fazer o trabalho", disse em tom tranquilo.

E só ter mexido na equipa aos 76', com o jogo empatado, tem lógica para Keizer: "Porque tínhamos um ritmo bom no jogo. Bons passes, espaço na lateral, para mim não havia necessidade de substituir. Como mantivemos o ritmo alto, lançamos dois jogadores frescos e fizeram o trabalho deles".

"O mais importante é jogarmos bem e que vençamos os nossos jogos. Fiquei feliz com maior parte da exibição", concluiu.

Lito: "Tenho de mentir"

"Tenho de mentir, tenho de dizer que foi um bom jogo, bem disputado e que a minha equipa trabalhou muito para vencer. Teve oportunidades para concretizar, mas nem sempre conseguiu. Tenho jogadores tristíssimos no balneário. Tenho de mentir porque não posso dizer tudo aquilo que penso e sinto. Aquilo que todos aqui viram", ironizou um Lito Vidigal claramente revoltado com a arbitragem, especialmente com o lance do penálti.

Depois, foi mais explícito: "Não pude deixar que os jogadores extravasassem tudo o que sentiam porque não quero ter jogadores indisponíveis por cartões. Temos é de agradecer aos adeptos que foram fantásticos no apoio. Temos de continuar a trabalhar, acreditando que todos aqui trabalharam com justiça. A minha equipa quis vencer, contra um adversário fortíssimo, com grandes jogadores. Ainda assim, a nossa atitude e humildade conseguiu equilibrar o jogo"

Três pontos acima dos lugares de despromoção, embora havendo um V. Setúbal - Tondela (este domingo), não corra o risco de ficar na zona de descida, o treinador do Boavista deu a receita para evitar aflições.

"Temos de nos agarrar a nós próprios, à qualidade, à fé e à atitude que temos para desenvolver o nosso trabalho. Isto tem de nos dar mais força para continuar. Transformar as dificuldades em energia positiva", sintetizou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG