Talento de Vietto deu nova alma ao futebol do Sporting

O Sporting venceu em Portimão por 3-1, num jogo que teve uma primeira parte alucinante. Com este triunfo, os leões ultrapassaram os rivais e lideram a I Liga na companhia do Famalicão.

O Sporting venceu este domingo o Portimonense, no Algarve, por 3-1 e ultrapassou os rivais na classificação, assumindo a liderança da I Liga em igualdade pontual com o Famalicão que arrancou um empate em Guimarães.

A grande notícia deste jogo para os leões é Luciano Vietto. O avançado argentino foi a surpresa no onze de Marcel Keizer em Portimão e libertou a equipa daquilo que era uma dependência quase exclusiva de Bruno Fernandes, acabando com as dúvidas quanto à compatibilidade dos dois jogadores.

O número 10 deu uma nova alma ao Sporting através da sua visão de jogo, dos seus passes e até de algumas arrancadas, que permitiram libertar mais Bruno Fernandes que manteve a sua influência no jogo, com duas assistências, e até Raphinha ganhou uma nova vida, com dois golos importantes numa altura em que já vinha sendo criticado por causa da sua falta de inspiração em frente da baliza.

A partida começou a um ritmo frenético, com três golos em apenas nove minutos. Um ritmo alucinante causado sobretudo pelos espaços que as duas equipas dispuseram durante toda a primeira parte. A inclusão de Vietto no onze leonino baralhou a estratégia do Portimonense.

Raphinha abriu as contas logo aos três minutos com um bonito remate cruzado que levou a bola a entrar quase ao ângulo da baliza de Ricardo Ferreira, guarda-redes que dois minutos estava novamente a ser batido, num lance imaginado por Vietto, que fez um passe fantástico a isolar Bruno Fernandes, que assistiu Luiz Phellype para encostar para o 2-0.

O penálti que afinal... não foi

A defesa algarvia abria brechas por todo o lado, mas na primeira vez que foi ao ataque conquistou um penálti, quando Iury Castilho foi derrubado por Mathieu na área Rômulo aproveitou para relançar a partida.

A partir desse momento, o jogo ficou ainda mais aberto, com lances de perigo junto das duas balizas. E em mais um lance de aflição da defesa do Portimonense, Pedro Sá derrubou Bruno Fernandes em cima da linha de grande área. Depois de consultar o VAR, Carlos Xistra decidiu mandar marcar penálti, mas depois de ser novamente alertado pelo videoárbitro, reverteu a decisão por causa de uma falta anterior de Thierry Correia sobre Aylton Boa Morte.

Em desvantagem, o Portimonense foi em busca do empate, aproveitando o dinamismo da ala direita onde as subidas do lateral japonês Koki Anzai colocavam em sentido Marcos Acuña, mas também a velocidade de Aylton Boa Morte e a excelente visão de jogo de Rômulo. O perigo rondou várias vezes a área sportinguista, mas do outro lado acontecia o mesmo e Bruno Fernandes, lançado por Vietto, só não marcoou porque o central Willyan tirou a bola quase em cima da linha de golo.

Raphinha acaba com as dúvidas

O ritmo alucinante da primeira parte desapareceu após o intervalo. Marcel Keizer ordenou que a sua equipa baixasse mais as suas linhas, procurando a partir daí aproveitar o erro do adversário para matar o jogo em transições rápidas. E a verdade é que o Portimonense assumiu o desafio e passou ter a iniciativa da partida, na tentativa de chegar ao empate. Contudo, ficava exposto aos contra-ataques leoninos.

E foi com um passe magistral de Bruno Fernandes que Raphinha acabou com as dúvidas quanto ao vencedor da partida, com um remate nas costas de Anzai que não deu hipótese a Ricardo Ferreira.

Os algarvios, que já tinham Lucas Fernandes e Jackson Martínez em campo, já não conseguiam criar os lances de perigo que tiveram na primeira parte e debatiam-se com enormes dificuldades em ultrapassar o bloco defensivo do Sporting, onde Idrissa Doumbia e Wendel faziam o trabalho de operários à frente do quarteto defensivo.

A vitória do Sporting até poderia ter sido mais dilatada não fosse Raphinha, após um excelente passe de Vietto, ter perdido o seu hat-trick quando estava sozinho em frente do guarda-redes da equipa de Portimão.

Os leões conseguem assim conquistar o segundo triunfo consecutivo na I Liga e em jogos oficiais esta época, mas mais do que isso mostraram que ainda podem evoluir muito com o decorrer da temporada, assim a compatibilização entre Vietto e Bruno Fernandes seja confirmada nos próximos jogos. Já ao Portimonense sofreu a primeira derrota no campeonato, mas voltou a mostrar argumentos para voltar a fazer um percurso tranquilo.

É certo que Bruno Fernandes voltou a fazer uma exibição ao seu nível, com duas assistências, e que Raphinha bisou, mas Vietto merece destaque pela surpresa gerou na partida, que ajudou a aniquilar a estratégia que o Portimonense tinha montado. O argentino deu os primeiros sinais de que pode ser um jogador importante neste Sporting de Marcel Keizer, sobretudo pela inteligência que tem, que lhe permite libertar os companheiros com as suas movimentações ou pelos seus passes a régua e esquadro.

Veja os golos:

FICHA DO JOGO

Estádio Municipal de Portimão ( 5634 espectadores)
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)

Portimonense - Ricardo Ferreira; Koki Anzai, Willyan, Jadson, Henrique (Lucas Fernandes, 46'); Pedro Sá, Rômulo; Aylton Boa Morte, José Cevallos (Dener, 68'), Bruno Tabata; Iury Castilho (Jackson Martínez, 63').
Treinador: António Folha

Sporting - Renan Ribeiro; Thierry Correia, Coates, Mathieu, Marcos Acuña (Cristián Borja, 88'); Idrissa Doumbia, Wendel (Eduardo Henrique, 79'); Raphinha, Bruno Fernandes, Vietto; Luiz Phellype.
Treinador: Marcel Keizer

Cartão amarelo a Aylton Boa Morte (53')

Golos: 0-1, Raphinha (2'); 0-2, Luiz Phellype (5'); 1-2, Rômulo (9'); 1-3, Raphinha (65')

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.