José Mourinho: "Já tive de dizer não a três ou quatro propostas"

O treinador português garante que sabe "exatamente" aquilo que pretende quanto ao próximo clube que irá treinar e garante estar a aproveitar a paragem desde a saída do Manchester United para se "preparar".

José Mourinho deu esta terça-feira uma entrevista ao canal de televisão francês beIN SPORTS na qual garantiu que já recusou "três ou quatro propostas" para voltar a trabalhar, desde que a 18 de dezembro deixou o comando técnico do Manchester United.

"Sei exatamente o que não quero, e essa é a razão pela qual já tive que dizer não a três ou quatro propostas. Sei o que quero, não em termos de um clube específico, mas sim em relação à natureza do trabalho. Sei o que quero e vou esperar por isso", assumiu o treinador português de 56 anos.

Nesse sentido, deixou a certeza de que neste momento "não importa" para onde irá, sendo certo que irá "para um lugar onde possa ganhar". "Passaram dois meses e meio desde que estou sem treinar e já me estou a preparar para o próximo desafio. Não estou de férias nem aborrecido, nem como se não tivesse nada para fazer. Estou a preparar-me", avisou.

"Quando se trabalha de forma diária no futebol, com seis conferências de imprensa por semana, três jogos, sessões de vídeo, análises, problemas diários... Não temos tempo para cuidar de nós mesmos", admitiu, acrescentando que estes meses servem para isso mesmo.

"Voltarei melhor preparado. O lugar de treinador é muito especial. Gosto do trabalho diário, competir em várias provas, disputar jogos. Quero treinar um clube e quero encontrá-lo já este verão, em junho, para começar a pré-temporada", sublinhou.

Questionado sobre a possibilidade de um dia assumir o cargo de selecionador nacional, Mourinho não fechou a porta, apesar não encarar este cenário para já: "O trabalho na seleção nacional é um trabalho muito específico. Gosto de futebol diário, de trabalho diário, de muitas competições, de jogos. Gostaria de ficar ao nível do futebol de clubes, mas quem sabe?"

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.