José Mourinho derrotado no regresso a Manchester

Ao quarto jogo, o treinador português perdeu o seu primeiro jogo ao serviço do Tottenham e logo diante do United, de onde foi despedido há quase um ano. O Everton de Marco Silva foi goleado no dérbi com o Liverpool, por 5-2.

José Mourinho foi aplaudido no regresso a Old Trafford, mas o seu Tottenham acabou por ser derrotado pelo Manchester United, por 2-1, em jogo da 15.ª jornada da Premier League.

Após três triunfos nas primeiras três partidas, o treinador português somou o primeiro desaire frente à equipa de onde foi despedido há quase um ano. Os red devils quebraram assim uma série de três jogos sem vencer, tendo assim subido ao sexto lugar com 21 pontos, ultrapassando o Tottenham que mantém os 20 pontos, agora na oitava posição.

O United adiantou-se cedo no marcador através de um remate de Marcus Rashford logo aos seis minutos, aproveitando uma série de erros da defesa contrária. A primeira meia hora da partida foi dominada pela equipa da casa, que criou várias situações de perigo junto da baliza dos londrinos. No entanto, aos 39 minutos, Dele Alli fez um grande golo e igualou as contas da partida.

Só que Manchester United iniciou o segundo tempo da mesma forma que o primeiro, ou seja, com um golo. E desta vez de penálti cobrado por Marcus Rashford, que assim bisou na partida. O Tottenham ainda foi em busca do empate, mas esbarrou no guarda-redes espanhol David de Gea. No final a festa foi vermelha, com o treinador Ole Gunnar Solskjaer a poder respirar melhor, uma vez que a sua continuidade no comando da equipa estava bastante tremida.

Já Mourinho deixou Old Trafford com a certeza de que o Manchester United foi o clube frente ao qual mais vezes perdeu na Premier League. Já lá vão 35 desaires... "Acho que eles mereceram a vitória pelo que fizeram. Não começámos bem o jogo e nos primeiros 30 minutos o United foi melhor e nós não estivemos em campo. Mas também pela forma como concedemos o segundo golo, acho que o resultado é justo", disse o técnico português no final da partida.

Marco Silva goleado no dérbi com o Liverpool

Marco Silva continua com o seu lugar em perigo no Everton. Esta quarta-feira somou a sua terceira derrota consecutiva, desta vez no dérbi com o Liverpool, disputado em Anfield. O 5-2 com que acabou a partida reflete bem a superioridade dos campeões europeus e líderes destacados da Premier League, que empurrou a equipa do treinador português para a zona de despromoção, ou seja, o antepenúltimo lugar.

A noite foi de festa para os reds que viram Jürgen Klopp chegar às 100 vitórias no comando técnico da equipa. Um resultado que foi praticamente construído na primeira parte. Aos 17 minutos, o Liverpool já vencia por 2-0 com golos de Divock Origi e Shaqiri. Michael Keane ainda reduziu, relançando a partida, mas Origi e Sadio Mané aumentaram a vantagem logo de seguida. E o melhor que o Everton conseguiu foi fazer o segundo golo pelo brasileiro Richarlison, em cima do apito para o intervalo.

Já perto do apito final, o holandês Wijnaldum fez o quinto golo que deixou Marco Silva destroçado, com o nono desaire da sua equipa na Premier League.

Este resultado mantém o Liverpool confortável na liderança, com 14 vitórias e um empate nas 15 jornadas disputadas, continuando a ter oito pontos de vantagem para o Leicester, segundo classificado, e onze para o Manchester City, que é terceiro.

Wolves vencem e sobem na tabela

Nos outros jogos da jornada, destaque para o Leicester, que continua a sua excelente caminhada que lhe permite estar no segundo lugar. Com Ricardo Pereira como titular, os foxes receberam e venceram o Watford, por 2-0, com Jamie Vardy a abrir o marcador de penálti aos 55 minutos, tendo James Maddison fechado o marcador nos instantes finais da partida.

Também por 2-0 foi o triunfo do Wolverhampton de Nuno Espírito Santo na receção ao West Ham. Com Rui Patrício, Rúben Neves, João Mourinho e Diogo Jota no onze e Pedro Neto como suplente utilizado, os Wolves abriram o marcador por Dendoncker, que finalizou uma assistência de João Moutinho ainda na primeira parte. Já perto do final foi Pedro Neto a fazer o passe para o segundo golo da autoria de Patrick Cutrone. A equipa mais portuguesa da Premier League subiu ao quinto lugar, com 23 pontos.

Quem também venceu foi o Chelsea, em casa, perante o Aston Villa, por 2-1. Tammy Abraham e Mason Mount marcaram para os londrinos, de nada valendo o golo dos villians apontado por Trezeguet.

Finalmente, o Southampton, com Cédric Soares no onze, deu um safanão na crise e venceu o Norwich, por 2-1, um resultado que lhe permite deixar a zona de despromoção.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...