João Mário e Wilson Eduardo. Dois irmãos, duas seleções

Médio do Inter Milão está ao serviço da seleção portuguesa e o irmão foi convocado pela primeira vez para a equipa nacional de Angola.

João Mário está em grande forma no Inter Milão e voltou a ser chamado à seleção nacional portuguesa, numa jornada em que vê o irmão Wilson Eduardo (Sp. Braga) estrear-se por Angola, o país dos pais.

O avançado do Sp. Braga foi convocado para representar pela primeira vez a seleção angolana. Aos 28 anos o internacional sub-21 por Portugal optou pela equipa nacional de Angola depois de nunca ter sido chamado a representar as cores da principal seleção de Portugal.

Filho de pais angolanos, o extremo nasceu em Massarelos, no Porto, e deu os primeiros passos nos dragões, mudando-se depois para o Sporting, onde esteve 13 temporadas e viu o irmão João Mário aparecer. Sem tantas oportunidades como gostaria de ter, deixou Alvalade para rumar a Braga em 2015/16, tendo vencido uma Taça de Portugal logo na primeira época.

A jogar a quarta temporada como guerreiro do Minho, Wilson Eduardo prepara-se para se estrear por Angola, domingo, e logo num jogo decisivo da fase de qualificação para a CAN 2019 frente ao Burquina Faso. Os angolanos ocupam a terceira posição do grupo I, com seis pontos, menos um do que o Burquina Faso e menos três que o primeiro classificado, a Mauritânia.

Antes disso, no sábado, entra em campo João Mário, o mano mais novo, com a seleção nacional portuguesa, num jogo com a Itália, no campo onde joga habitualmente com a camisola do Inter.

Wilson Eduardo e João Mário já jogaram um contra o outra por mais de uma vez e poderão fazê-lo de novo em caso de haver um Portugal-Angola. Os jogadores têm ainda mais um irmão, Hugo Eduardo, que é jogador de fustal do Quinta dos Lombos.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.