Vettel vence na Bélgica em corrida que teve colisão impressionante no início (vídeo)

Piloto alemão da Ferrari venceu este domingo o Grande Prémio da Bélgica. Prova ficou marcada por uma enorme colisão logo no início, com Alonso a voar sobre Leclerc

Sebastian Vettel venceu este domingo o Grande Prémio da Bélgica, prova a contar para o Mundial de Fórmula 1, conseguindo a quinta vitória da temporada e a 52.ª da carreira.

O piloto alemão da Ferrari, que partiu do segundo lugar, encurtou assim a desvantagem para Lewis Hamilton para 17 pontos, uma vez que o britânico da Mercedes concluiu a prova na segunda posição, a 11.061 segundos. Max Verstappen (Red Bull) completou o pódio, a 31.372 segundos do vencedor.

O germânico dominou no asfalto de Spa-Francorchamps com grande autoridade e garantiu o triunfo importantíssimo para manter vivas as suas aspirações em recuperar o título mundial que conquistou em 2010, 2011, 2012 e 2013 e que é detido por Hamilton, numa fase em que faltam disputar oito corridas.

A prova ficou ainda marcada por uma colisão que envolveu Nico Hulkenberg, Fernando Alonso e Charles Leclerc e que obrigou os três a abandonar a corrida.

O momento é impressionante, com Alonso a passar literalmente por cima de Leclerc. Veja aqui:

Após 13 das 21 provas do calendário, Hamilton lidera o campeonato do mundo, com 231 pontos, enquanto Vettel é o segundo, com 214. O finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari), que abandonou na nona volta, segue em terceiro, com 146.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.