Pedro Sousa eliminado na primeira ronda do Open da Austrália

O tenista português foi esta segunda-feira eliminado na primeira ronda do Open da Austrália, o primeiro Grand Slam do ano, ao perder contra o anfitrião e número um australiano, Alex di Minaur, por três sets a zero.

O lisboeta, que se estreava aos 30 anos em quadros principais de torneios do Grand Slam, perdeu contra o australiano de 19 anos pelos parciais de 6-4, 7-5 e 6-4.

Alex di Minaur, 29.º classificado do ranking e jogador revelação do ano passado, precisou de quase duas horas (01:58) para derrotar o tenista luso, 103.º lugar da hierarquia mundial.

"Pequei na resposta ao serviço"

"Foi um encontro sempre equilibrado, em que os parciais foram decididos só com um break. Foi disputado com alguns bons pontos e, no geral, foi um bom encontro. O fator decisivo foi a resposta ao serviço. Hoje pequei nesse aspeto, não estive tão bem e criei muito poucas oportunidades na resposta. Servi muito bem, mas a resposta infelizmente não foi a melhor e a que se exige a este nível. Não lhe causei desconforto a responder", explicou o lisboeta à Lusa, depois ceder na estreia.

Apesar de eliminado na ronda inaugural do torneio australiano, onde assinalou a sua estreia em quadros principais do Grand Slam, Pedro Sousa admite ter ficado "contente" com a forma como reagiu diante o jovem australiano, 27.º do ranking ATP, que venceu domingo o ATP 250 de Sydney, o seu primeiro título de carreira aos 19 anos.

"Não posso dizer que esteja satisfeito, porque perdi. Mas, no global, foi uma boa experiência jogar num court grande [Margaret Court Arena], com um jogador como o Di Minaur, que já ganhou um torneio ATP, a jogar em casa e onde é número um. Estou contente como lidei com a situação", frisou.

Concluída a experiência em Melbourne Park, onde espera ter "mais experiências destas", Pedro Sousa regressa a Portugal para descansar por alguns dias, antes de se juntar à seleção lusa, que viaja até ao Cazaquistão para discutir com a equipa anfitriã o apuramento para o Grupo Mundial da Taça Davis.

Nos Antípodas permanece João Sousa, número um português e 44.º ATP, que fará a sua estreia na 107.ª edição do Open da Austrália na terça-feira, frente ao esquerdino argentino Guido Pella (66.º no ranking), seu parceiro de pares no ATP 250 de Auckland. Nas seis participações anteriores, o vimaranense de 29 anos tem como melhor registo a terceira ronda, alcançada em 2015 e 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?