Ténis: Homens são mais punidos que as mulheres

A estatística desmente Serena Williams. Nas duas últimas décadas, em Grand Slam's, os tenistas masculinos foram três vezes mais sancionados que as tenistas femininas. Carlos Ramos já recebeu um pedido de desculpas

A polémica gerada pela discussão entre Carlos Ramos e Serena Williams na final do Open dos Estados Unidos resvalou para uma questão de género alimentada pela tenista que defendeu que se fosse um homem o português nunca a teria penalizado.

Muita coisa se passou e várias pessoas tomaram partido, como se pode lembrar aqui. Katrina Adams, presidente da Associação de Ténis dos Estados Unidos da América, foi uma das pessoas que se colocou ao lado de Serena Williams, nomeadamente no que diz respeito às alegadas diferenças de tratamento por parte dos árbitros a homens e mulheres, tendo referido aos microfones da ESPN que "não há igualdade".

Nesta quinta-feira Carlos Ramos deu de caras com Katrina Adams na cidade croata de Vadar, onde Estados Unidos e Croácia estão a disputar uma eliminatória da Taça Davis. De acordo com alguns jornalistas, ouviu-se Katrina Adams a pedir desculpas a Carlos Ramos.

Na sequência deste gesto terá estado a divulgação da estatística de advertências, as quais demonstram que os homens são muito mais castigados que as mulheres. Aliás, nas duas últimas décadas em Grand Slams os atletas masculinos receberam três vezes mais violações do código de conduta que as atletas femininas (1534 contra 526).

Se nos reportarmos ao universo do Open dos Estados Unidos, onde tudo aconteceu, no mesmo espaço temporal os homens foram punidos com 86 violações do codigo de conduta ao passo que as meulheres foram sancionadas apenas com 22.

Curiosas foram as declarações dos tenistas americanos presentes em Vadar. O capitão Jim Courier, e ex-número um mundial, esclarecer não ter dúvidas "de que Carlos apenas aplicou as regras". Steve Johnson também defendeu o português: "Carlos Ramos reforçou as regras que foram aplicadas em mim ao longo dos anos."

"Eu nunca fui chamado para coaching, mas o abuso de raquete, o abuso verbal, que é apenas parte do esporte. Eu acho que muito disso talvez tenha sido super amplificado porque foi a final do US Open. "

Para Enric Molina, presidente da arbitragem da ITF, "o trabalho de Carlos era imaculado, sob circunstâncias muito difíceis, foi uma triste resposta dos órgãos governamentais não apoiar o excelente trabalho do árbitro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.