Sporting revalida título europeu feminino de corta-mato

Em Albufeira, o Sporting venceu pela segunda vez consecutiva a competição feminina, terminou em terceiro no setor masculino, falhando a revalidação do título masculino, e foi sexto na prova de sub-20 feminina.

O Sporting revalidou este domingo o título de campeão europeu de corta-mato, em Albufeira, com 25 pontos, pontos, numa prova vencida individualmente pela leoa Fancy Cherono, em 20.15 minutos.

Cherono foi a mais rápida nos 6.090 metros da prova, impondo-se a Jeptoo Kimely (Kasimpasa) segunda classificada a três segundos, e Trihas Gebre (Bilbao Atletismo Santutxo), terceira a 28.

A equipa leonina somou o segundo triunfo consecutivo na Taça dos Clubes Campeões Europeus de corta-mato, depois da vitória em 2018 em Mira, ao somar menos 22 pontos do que as espanholas do Bilbao Atletismo Santutxo e menos 30 do que as polacas do Podlasie Bialystok, segunda e terceiras classificadas, respetivamente.

Além da vencedora, Fancy Cherono, a equipa do Sporting assegurou o título graças aos desempenhos de Sara Catarina Ribeiro, quinta a 38 segundos, Sara Moreira, sexta a 42, e Jessica Augusto, 13.ª a 1.12 minutos.

Coordenador técnico de atletismo do Sporting satisfeito

Carlos Silva mostrou-se satisfeito com a vitória no setor feminino e o pódio masculino na Taça dos Clubes Campeões Europeus de corta-mato, na Aldeia das Açoteias, em Albufeira."O balanço que fazemos desta jornada é positivo. Revalidámos o título europeu feminino, numa prova interessante, e chegámos ao pódio masculino, que já nos dá acesso a esta competição no próximo ano. Mesmo as juniores correram ao nível que esperávamos", afirmou Carlos Silva.

O Sporting venceu pela segunda vez consecutiva a competição feminina, terminou em terceiro no setor masculino, falhando a revalidação do título masculino, e foi sexto na prova de sub-20 feminina.

"As provas de hoje mostraram uma luta mais aberta e competitiva, especialmente no setor masculino, com as equipas do sul da Europa a mostrarem o seu valor. Nós temos uma equipa com atletas de longevidade considerável e temos que gerir a sua forma e apresentar os melhores em cada momento. Não chegámos ao título, como esperávamos, mas lutámos", defendeu Carlos Silva, relaçando o aparecimento de alguns jovens valores: "Nós sentimos que necessitamos renovar, temos aqui o Miguel Marques, o primeiro a subir à equipa principal, mas temos outros jovens que estão a subir para chegar a esse ponto. As nossas jovens hoje não se suplantaram, mas temos muita esperança nelas."

Homens acabaram em terceiro

O Sporting terminouem terceiro lugar a prova masculina da Taça dos Clubes Campeões Europeus de corta-mato, em Albufeira, com 69 pontos, mais 26 do que a formação espanhola Bikila, que sucedeu aos leões no historial.

O Sporting, que procurava o 16.º título, depois da vitória em 2018, em Mira, e dos triunfos entre 1977 e 1994, não foi além do terceiro lugar na classificação, atrás do Bikila, que não vencia a prova desde 2014, e dos italianos do Casone Noceto, que somaram 52 pontos.

Além de Kiplangat, pontuaram para o Sporting Licínio Pimentel, com o 15.º lugar a 1.36 minutos, Rui Teixeira, 25.º a 2.01, e Miguel Marques, 27.º a 2.09. Seguiram-se Alberto Paulo, 29.º a 2.14 e Rui Pedro Silva, 58.º 3.23 minutos.

O ugandês Jacob Kimplimo, dos italianos do Casone Noceto, foi o primeiro a cruzar a meta, no final dos 9.730 metros, em 29.00 minutos, menos um segundo do que o vencedor do ano passado, o queniano Davis Kiplangat (Sporting), segundo classificado.

Robel Fsiha (Sparvagens) terminou no terceiro posto, a 50 segundos de Kimplimo.

O trabalho de equipa de Ayad Lamdassem, quinto classificado, Yago Rojo, sétimo, Javier García, 11.º, e Rocardo Rosado, 20.º, asseguraram a vitória da formação de Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.