Reviravolta dobra Dragão

Em seis minutos, FC Porto fez 2-0 e foi para o intervalo a pensar na liderança. André André (penálti) e Tozé anularam desvantagem e Davidson consumou a reviravolta (2-3) que afasta o campeão do 1.º lugar com derrota em casa no campeonato 28 meses depois

O FC Porto começou sem muito gás, mas com habilidade suficiente para chegar ao intervalo a vencer por 2-0. Brahimi inventou o primeiro (com ajuda preciosa de André Pereira), André Pereira marcou em fora de jogo. Tudo em seis minutos. O VAR esteve em baixo, devido a avaria, entre o minuto 15 e 45.

Pelo meio, os dragões ainda cheiraram o golo um par de vezes, enquanto o Vitória se acercava da baliza de Casillas, mas sem nunca lhe acertar.

Mas chegou a segunda parte e, como disse Sérgio Conceição, a equipa deixou o jogo correr. Queria viver dos rendimentos obtidos antes do intervalo.

O Vitória foi enchendo o peito de confiança. Primeiro, Sérgio Oliveira derrubou Ola Jonh, na primeira ação do holandês depois de ter entrado em campo. O ex-FC Porto André André bateu Casillas (63') de penálti.

A equipa de Luís Castro manteve os olhos na baliza adversária, ou pelo menos tentou jogar sempre o mais longe da sua área. Com os campeões a deixarem correr o marfim, chegou o empate. Tozé (76'), que já pertenceu aos quadros azuis e brancos, recebeu sobre a direita da área e arrancou um remate cruzado que Casillas nem com os olhos conseguiu desviar.

Na segunda parte, o guarda-redes Douglas revelou-se inultrapassável. Foi parando as várias oportunidades de golo criadas pelos avançados do FC Porto. O cúmulo sucedeu entre os 90'+2' e os 90'+4'. Óliver combinou bem e surgiu na cara de Douglas, mas foi incapaz de o bater (remate forte, grande defesa). Logo a seguir, Marega atira para defesa aflita do guardião vimaranense e André Pereira não consegue a emenda porque João Afonso se intrometeu. E dois minutos depois, Douglas voltou a negar o golo, desta vez a Herrera (desviou o remate para o poste).

A desinspiração em frente ao golo e até o poste impediram os dragões de voltarem a marcar. Mas não tinham frustrado Davidson, que já havia consumado a reviravolta (88') antes dos 90'. Um remate muito semelhante ao do colega Tozé. Três golos de um visitante no Dragão não são feito para muitos adversários.

E muito menos é para qualquer equipa conseguir dar a volta a uma desvantagem de dois golos ao intervalo no terreno do FC Porto. No campeonato, aconteceu poucas vezes.

Mas o mesmo se aplica a todas as competições. A última vez que aconteceu foi já há cerca de 14 anos, diante de um desconhecido Artmedia. E ao oitavo jogo frente ao clube que representou em várias equipas técnicas, Luís Castro lá conseguiu a primeira vitória.

O Vitória de Guimarães já não ganhava no terreno do FC Porto desde 1996: pelo mesmo resultado (golo do triunfo de zahovic...), a equipa então orientada por Jaime Pacheco bateu os azuis e brancos nas Antas. Ou seja, este sábado estreou-se a ganhar no Dragão. Foi a 4.ª vitória em 80 jogos como visitante (62 triunfos portistas, 21 nos últimos 22 jogos - houve um empate a zero em 2004/05).

O FC Porto já não perdia em casa para o campeonato desde 2016. A 30 de abril, portanto, há 28 meses, o Sporting de Jorge Jesus venceu no Dragão por 1-3.

Veja resumo do jogo:

O Feirense pode saltar isolado para a liderança se vencer este domingo o Boavista, em casa (somaria nove pontos). As outras três equipas só com vitórias marcaram passo: empate no Benfica 1-1 Sporting (têm ambos sete pontos) e derrota desoladora dos campeões nacionais (seis pontos) diante do Vitória. Que conseguiu os primeiros pontos no campeonato depois de duas derrotas (Luz, 2-3; Afonso Henriques, 0-1 frente ao Feirense). E de uma outra, em casa, que eliminou a equipa da Taça da Liga (0-2 com o Tondela).

Ficha do jogo

Estádio do Dragão, no Porto.

FC Porto 2-3 Vitória de Guimarães

Ao intervalo: 2-0.

Marcadores:

1-0, Brahimi, 37 minutos.

2-0, André Pereira, 43.

2-1, André André, 63 (grande penalidade).

2-2, Tozé, 76.

2-3, Davidson, 88.

Equipas:
- FC Porto: Casillas, Maxi Pereira, Diogo Leite, Felipe, Alex Telles, Otávio, Sérgio Oliveira, Herrera, Brahimi (Corona, 51, Óliver Torres, 74), Aboubakar (Marega, 62) e André Pereira.
(Suplentes: Vaná, Éder Militão, Hernâni, Óliver Torres, Marega, Corona e Adrián López).
Treinador: Sérgio Conceição.

- Vitória de Guimarães: Douglas, Sacko, João Afonso, Pedro Henrique, Florent, Wakaso, Joseph (Tozé, 37), Tyler Boyd (Ola John, 57), André André, João Carlos Teixeira (Davidson, 77) e Welthon.
(Suplentes: Miguel Silva, Rafa Soares, Tozé, Ola John, Tallo Junior, Davidson e Celis).
Treinador: Luís Castro.

Árbitro: Fábio Veríssimo (AF Leiria).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Wakaso (09), Diogo Leite (24), Felipe (78), Florent (83) e Alex Telles (87).

Assistência: 47.008 espetadores

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.