Reviravolta dobra Dragão

Em seis minutos, FC Porto fez 2-0 e foi para o intervalo a pensar na liderança. André André (penálti) e Tozé anularam desvantagem e Davidson consumou a reviravolta (2-3) que afasta o campeão do 1.º lugar com derrota em casa no campeonato 28 meses depois

O FC Porto começou sem muito gás, mas com habilidade suficiente para chegar ao intervalo a vencer por 2-0. Brahimi inventou o primeiro (com ajuda preciosa de André Pereira), André Pereira marcou em fora de jogo. Tudo em seis minutos. O VAR esteve em baixo, devido a avaria, entre o minuto 15 e 45.

Pelo meio, os dragões ainda cheiraram o golo um par de vezes, enquanto o Vitória se acercava da baliza de Casillas, mas sem nunca lhe acertar.

Mas chegou a segunda parte e, como disse Sérgio Conceição, a equipa deixou o jogo correr. Queria viver dos rendimentos obtidos antes do intervalo.

O Vitória foi enchendo o peito de confiança. Primeiro, Sérgio Oliveira derrubou Ola Jonh, na primeira ação do holandês depois de ter entrado em campo. O ex-FC Porto André André bateu Casillas (63') de penálti.

A equipa de Luís Castro manteve os olhos na baliza adversária, ou pelo menos tentou jogar sempre o mais longe da sua área. Com os campeões a deixarem correr o marfim, chegou o empate. Tozé (76'), que já pertenceu aos quadros azuis e brancos, recebeu sobre a direita da área e arrancou um remate cruzado que Casillas nem com os olhos conseguiu desviar.

Na segunda parte, o guarda-redes Douglas revelou-se inultrapassável. Foi parando as várias oportunidades de golo criadas pelos avançados do FC Porto. O cúmulo sucedeu entre os 90'+2' e os 90'+4'. Óliver combinou bem e surgiu na cara de Douglas, mas foi incapaz de o bater (remate forte, grande defesa). Logo a seguir, Marega atira para defesa aflita do guardião vimaranense e André Pereira não consegue a emenda porque João Afonso se intrometeu. E dois minutos depois, Douglas voltou a negar o golo, desta vez a Herrera (desviou o remate para o poste).

A desinspiração em frente ao golo e até o poste impediram os dragões de voltarem a marcar. Mas não tinham frustrado Davidson, que já havia consumado a reviravolta (88') antes dos 90'. Um remate muito semelhante ao do colega Tozé. Três golos de um visitante no Dragão não são feito para muitos adversários.

E muito menos é para qualquer equipa conseguir dar a volta a uma desvantagem de dois golos ao intervalo no terreno do FC Porto. No campeonato, aconteceu poucas vezes.

Mas o mesmo se aplica a todas as competições. A última vez que aconteceu foi já há cerca de 14 anos, diante de um desconhecido Artmedia. E ao oitavo jogo frente ao clube que representou em várias equipas técnicas, Luís Castro lá conseguiu a primeira vitória.

O Vitória de Guimarães já não ganhava no terreno do FC Porto desde 1996: pelo mesmo resultado (golo do triunfo de zahovic...), a equipa então orientada por Jaime Pacheco bateu os azuis e brancos nas Antas. Ou seja, este sábado estreou-se a ganhar no Dragão. Foi a 4.ª vitória em 80 jogos como visitante (62 triunfos portistas, 21 nos últimos 22 jogos - houve um empate a zero em 2004/05).

O FC Porto já não perdia em casa para o campeonato desde 2016. A 30 de abril, portanto, há 28 meses, o Sporting de Jorge Jesus venceu no Dragão por 1-3.

Veja resumo do jogo:

O Feirense pode saltar isolado para a liderança se vencer este domingo o Boavista, em casa (somaria nove pontos). As outras três equipas só com vitórias marcaram passo: empate no Benfica 1-1 Sporting (têm ambos sete pontos) e derrota desoladora dos campeões nacionais (seis pontos) diante do Vitória. Que conseguiu os primeiros pontos no campeonato depois de duas derrotas (Luz, 2-3; Afonso Henriques, 0-1 frente ao Feirense). E de uma outra, em casa, que eliminou a equipa da Taça da Liga (0-2 com o Tondela).

Ficha do jogo

Estádio do Dragão, no Porto.

FC Porto 2-3 Vitória de Guimarães

Ao intervalo: 2-0.

Marcadores:

1-0, Brahimi, 37 minutos.

2-0, André Pereira, 43.

2-1, André André, 63 (grande penalidade).

2-2, Tozé, 76.

2-3, Davidson, 88.

Equipas:
- FC Porto: Casillas, Maxi Pereira, Diogo Leite, Felipe, Alex Telles, Otávio, Sérgio Oliveira, Herrera, Brahimi (Corona, 51, Óliver Torres, 74), Aboubakar (Marega, 62) e André Pereira.
(Suplentes: Vaná, Éder Militão, Hernâni, Óliver Torres, Marega, Corona e Adrián López).
Treinador: Sérgio Conceição.

- Vitória de Guimarães: Douglas, Sacko, João Afonso, Pedro Henrique, Florent, Wakaso, Joseph (Tozé, 37), Tyler Boyd (Ola John, 57), André André, João Carlos Teixeira (Davidson, 77) e Welthon.
(Suplentes: Miguel Silva, Rafa Soares, Tozé, Ola John, Tallo Junior, Davidson e Celis).
Treinador: Luís Castro.

Árbitro: Fábio Veríssimo (AF Leiria).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Wakaso (09), Diogo Leite (24), Felipe (78), Florent (83) e Alex Telles (87).

Assistência: 47.008 espetadores

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.