Eric Dier acabou com a maldição dos penáltis e colocou a Inglaterra nos 'quartos'

Kane marcou para Inglaterra aos 57 minutos de grande penalidade e Mina empatou já depois dos 90 minutos (1-1). Nos penáltis, Eric Dier (ex-Sporting) colocou os ingleses nos quartos (4-3).

Acabou a maldição. Nunca a Inglaterra tinha superado a linha dos 11 metros num mundial. Conseguiu-o esta terça-feira, pelos pés de Eric Dier, um ex-leão, que não tremeu frente a Ospina e colocou a equipa de Sua Majestade nos quartos de final do Mundial 2018.

Os ingleses bateram os colombianos nos penáltis (4-3), algo que nunca tinham conseguido. Tinham sido eliminados sempre que a decisão ia para as grandes penalidades: em 1990 caíram frente à Alemanha, em 1998 frente a Argentina e em 2006 frente a Portugal.

Ns oitavos de final do Mundial 2018 a história foi outra e os britânicos voltaram a levar a melhor sobre os cafeteros colombianos. Longe dos tempos em que o inglês John Hawkins tentou atacar a cidade de Cartagena, atual Colômbia, mas desistiu amedrontado com o arsenal dos locais, Harry Kane enfrentou os colombianos sem medo e liderou a armada de Sua Majestade em mais uma conquista.

O encontro foi bastante equilibrado. Harry Kane arrancou uma grande penalidade que lhe permitiu inaugurar o marcador aos 57 minutos. E numa altura em que já se esperava o apito final, Yerri Mina (aos 90+3 minutos) empatou e levou o jogo para prolongamento. Sem ninguém conseguir desempatar, a decisão foi para os penáltis. E aí a Inglaterra foi mais feliz, seguindo agora para os quartos, onde irá encontrar a Suécia, que bateu a Suíça por 1-0.

A equipa de Southgate tem mostrado bom futebol e veia goleadora. Desde o Mundial 1966 que a Inglaterra não marcava tantos golos num Campeonato do Mundo: 9 em quatro jogos. E tem o melhor marcador da prova, Harry Kane com seis golos.

Jogos e resultados do dia:

Suécia - Suíça (1-0, resultado final)

Colômbia - Inglaterra (1-1; 3-4, nos penáltis)

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.