Segundo ouro para Portugal. Fu Yu vence no ténis de mesa

Mesatenista portuguesa bateu a alemã Ying Han na final do torneio feminino dos Jogos Europeus de Minsk 2019.

Fu Yu, de 40 anos, conquistou esta quarta-feira a segunda medalha de ouro para Portugal nos Jogos Europeus que estão a realizar-se em Minsk, na Bielorrússia, juntando-se a Carlos Nascimento, que reinou na prova de 100 metros. A mesatenista portuguesa bateu na final a alemã Ying Han por 4-2, tendo vencido os dois primeiros sets (11-5 e 11-8), o quinto (11-6) e o sexto (11-7) e perdido o terceiro (9-11) e o quarto (9-11).

A luso-chinesa melhorou muito o desempenho nos Jogos de há quatro anos, em Baku, onde não foi além do 17.º lugar.

"Não sei o que dizer, não tenho palavras, estou muito contente. (...) De manhã estava mais focada e contente com o apuramento, agora veio o ouro. (...) Não estava nada à espera deste resultado", admitiu Fu Yu após conquistar o ouro, revelando que "não há segredos" para a vitória.

Nascida em Hebei, na China, em 1978, começou a jogar ténis de mesa no país natal com apenas sete anos, tendo deixado o país em 1998 para competir em Espanha, antes de rumar a Portugal em 2001, para representar o Estreito, da Madeira. Desde então que vive em Portugal, onde casou e criou família, naturalizando-se em agosto de 2013.

Fu Yu, atualmente ao serviço dos franceses do Metz TT, tornou-se a primeira mesatenista portuguesa a conquistar uma medalha internacional, nos Europeus realizados em Scwechat, na Áustria. Depois de ter ganhado o bronze no Campeonato da Europa de 2015, representou as cores nacionais nos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro, onde se classificou em 33.º lugar, entre 70 participantes.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.