Benfica passou na Choupana com distinção

Encarnados venceram equipa de Costinha, por 4-0, em jogo da quarta jornada da I Liga. Golos de Seferovic, Salvio, Grimaldo e Rafa colocam o Benfica na liderança, juntamente com o Sporting e o Sp. Braga.

Seferovic foi a arma secreta e mortífera de Rui Vitória para o Benfica sair este domingo da Choupana com uma vitória expressiva (4-0). O treinador encarnado voltou a dar a titularidade ao suíço (repetindo o onze utilizado com o PAOK) e deixou Ferreyra no banco de suplentes. Há dez meses que o avançado helvético não fazia dois jogos seguidos de águia ao peito e há dez meses que não marcava para o campeonato. Além disso, ainda há um mês, mais coisa menos coisa, era encarado como a quarta opção para o ataque depois de Jonas, Castillo e Facundo Ferreyra...

Motivos mais do que suficientes para Seferovic festejar com golo e uma assistência na Choupana.

Numa primeira parte marcada pelo domínio absoluto das águias, perante um Nacional bom de bola a meio campo, mas refém dos desequilíbrios de Arabidze, foi Seferovic a abrir a contagem aos 28 minutos. Há oito meses que não festeja um golo pelo Benfica. E podia ter feito mais ainda este domingo na Choupana, mas viu Daniel Guimarães impedir o bis por mais de uma vez. Depois foi a vez do suíço retribuir a oferta de Salvio. O argentino aceitou a oferta e fez o 2-0.

Aliás a dupla Seferovic-Salvio (com a ajuda do comandante Pizzi) só não foi mais mortífera porque o guarda-redes insular não o permitiu.

Primeiro remate do Nacional ao 59 minutos

Costinha percebeu que era prudente mexer na equipa ao intervalo e tirou Marakis para lançar Palocevic. A equipa ganhou consistência ofensiva e levou finalmente perigo à baliza bem segura de Vlachodimos. O médio sérvio dos insulares foi o primeiro a conseguir testar os reflexos do guardião encarnados - esteve intransponível entre os postes e negaria depois o golo a Vítor Gonçalves aos 78 minutos.

Com a baliza bem guardada por Vlachodimos, o Benfica chegaria ao terceiro golo por Grimaldo, que aproveitou muito bem um passe soberbo de Pizzi para bater Daniel Guimarães. Até ao final, o Benfica procurou segurar a vantagem confortável, face a um Nacional sem forças para reagir ao bom momento das águias. E já depois dos 90 ainda houve tempo para Rafa fazer o 4-0 e fechar a goleada na Choupana.

Um triunfo expressivo do Benfica, que assim se juntou ao Sporting e ao Sp. Braga na liderança da Liga.Já o Nacional soma apenas três pontos em quatro jornadas.

FIGURA - SALVIO

O extremo argentino foi o grande responsável pelo desbloquear do jogo, tornando as transições mais fáceis, criando desequilíbrios constantes. Esteve endiabrado no primeiro tempo, juntamente com Seferovic. Primeiro ofereceu o golo ao suíço, depois recebeu a bola dele e marcou. E ainda esteve perto de bisar. No segundo tempos soube ler bem o jogo e tirou partido das triangulações com Pizzi para manter o Benfica por cima no jogo

FICHA DE JOGO

Jogo no Estádio da Madeira

Marcadores: 0-1, Seferovic, 28 minutos; 0-2, Salvio, 45'; 0-3, Grimaldo 76'; 0-4, Rafa, 90'+3'.

EQUIPAS:

Nacional: Daniel Guimarães, Nuno Campos, Júlio César, Felipe Lopes, Decas (Witi, 61'), Jota (Riascos, 75'), Marakis (Pavlocevic, 46'), Vítor Gonçalves, João Camacho, Arabidze e Rochez.

Treinador: Costinha.

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Jardel, Rúben Dias, Grimaldo, Fejsa (Alfa Semedo, 30'), Gedson, Pizzi, Salvio (João Félix, 81'), Cervi (Rafa, 70') e Seferovic.

Treinador: Rui Vitória.

ÁRBITRO: Fábio Veríssimo (AF Leiria).

AÇÃO DISCIPLINAR: cartão amarelo para Marakis (34'), Alfa Semedo (49'), Jardel (51') e Cervi (68').

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.