Benfica passou na Choupana com distinção

Encarnados venceram equipa de Costinha, por 4-0, em jogo da quarta jornada da I Liga. Golos de Seferovic, Salvio, Grimaldo e Rafa colocam o Benfica na liderança, juntamente com o Sporting e o Sp. Braga.

Seferovic foi a arma secreta e mortífera de Rui Vitória para o Benfica sair este domingo da Choupana com uma vitória expressiva (4-0). O treinador encarnado voltou a dar a titularidade ao suíço (repetindo o onze utilizado com o PAOK) e deixou Ferreyra no banco de suplentes. Há dez meses que o avançado helvético não fazia dois jogos seguidos de águia ao peito e há dez meses que não marcava para o campeonato. Além disso, ainda há um mês, mais coisa menos coisa, era encarado como a quarta opção para o ataque depois de Jonas, Castillo e Facundo Ferreyra...

Motivos mais do que suficientes para Seferovic festejar com golo e uma assistência na Choupana.

Numa primeira parte marcada pelo domínio absoluto das águias, perante um Nacional bom de bola a meio campo, mas refém dos desequilíbrios de Arabidze, foi Seferovic a abrir a contagem aos 28 minutos. Há oito meses que não festeja um golo pelo Benfica. E podia ter feito mais ainda este domingo na Choupana, mas viu Daniel Guimarães impedir o bis por mais de uma vez. Depois foi a vez do suíço retribuir a oferta de Salvio. O argentino aceitou a oferta e fez o 2-0.

Aliás a dupla Seferovic-Salvio (com a ajuda do comandante Pizzi) só não foi mais mortífera porque o guarda-redes insular não o permitiu.

Primeiro remate do Nacional ao 59 minutos

Costinha percebeu que era prudente mexer na equipa ao intervalo e tirou Marakis para lançar Palocevic. A equipa ganhou consistência ofensiva e levou finalmente perigo à baliza bem segura de Vlachodimos. O médio sérvio dos insulares foi o primeiro a conseguir testar os reflexos do guardião encarnados - esteve intransponível entre os postes e negaria depois o golo a Vítor Gonçalves aos 78 minutos.

Com a baliza bem guardada por Vlachodimos, o Benfica chegaria ao terceiro golo por Grimaldo, que aproveitou muito bem um passe soberbo de Pizzi para bater Daniel Guimarães. Até ao final, o Benfica procurou segurar a vantagem confortável, face a um Nacional sem forças para reagir ao bom momento das águias. E já depois dos 90 ainda houve tempo para Rafa fazer o 4-0 e fechar a goleada na Choupana.

Um triunfo expressivo do Benfica, que assim se juntou ao Sporting e ao Sp. Braga na liderança da Liga.Já o Nacional soma apenas três pontos em quatro jornadas.

FIGURA - SALVIO

O extremo argentino foi o grande responsável pelo desbloquear do jogo, tornando as transições mais fáceis, criando desequilíbrios constantes. Esteve endiabrado no primeiro tempo, juntamente com Seferovic. Primeiro ofereceu o golo ao suíço, depois recebeu a bola dele e marcou. E ainda esteve perto de bisar. No segundo tempos soube ler bem o jogo e tirou partido das triangulações com Pizzi para manter o Benfica por cima no jogo

FICHA DE JOGO

Jogo no Estádio da Madeira

Marcadores: 0-1, Seferovic, 28 minutos; 0-2, Salvio, 45'; 0-3, Grimaldo 76'; 0-4, Rafa, 90'+3'.

EQUIPAS:

Nacional: Daniel Guimarães, Nuno Campos, Júlio César, Felipe Lopes, Decas (Witi, 61'), Jota (Riascos, 75'), Marakis (Pavlocevic, 46'), Vítor Gonçalves, João Camacho, Arabidze e Rochez.

Treinador: Costinha.

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Jardel, Rúben Dias, Grimaldo, Fejsa (Alfa Semedo, 30'), Gedson, Pizzi, Salvio (João Félix, 81'), Cervi (Rafa, 70') e Seferovic.

Treinador: Rui Vitória.

ÁRBITRO: Fábio Veríssimo (AF Leiria).

AÇÃO DISCIPLINAR: cartão amarelo para Marakis (34'), Alfa Semedo (49'), Jardel (51') e Cervi (68').

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.