SEF notifica para abandono do país sete jogadores jovens do Leixões

Presidente da SAD do Leixões fala em "questão processual" devido à alteração na maneira como se fazem os registos. "Eles não estão irregulares, porque caso assim fosse não estariam inscritos nem a competir", acrescentou

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) notificou esta quinta-feira para abandono voluntário do país sete futebolistas dos sub-19 e sub-18 do Leixões, por permanência irregular em Portugal.

Além da questão do Leixões, o SEF disse ainda ter feito uma ação de fiscalização em Évora a "duas associações desportivas - Sport Clube Alcaçovense e Grupo Estrela Escouralense -, onde foram identificados 15 cidadãos estrangeiros, todos eles em situação regular".

O presidente da SAD do Leixões, Paulo Lopo, disse à Lusa que a notificação se deve a uma "questão processual", motivada pela alteração na forma como passaram a ser feitos no portal do SEF os pedidos de visto e de permanência aos imigrantes, afastando a iminência de saída do país dos jogadores.

"Até há época passada os pedidos eram feitos por via manual e, entretanto, passaram a ser por via digital. Ou seja, eles não estão irregulares, porque caso assim fosse não estariam inscritos nem a competir", argumentou o líder da SAD.

O líder dos matosinhenses considera que "o que se passou foi que a inscrição dos sete jogadores foi feita pela via manual" e que agora está "a proceder à introdução nesse novo portal dos dados dos jogadores e a regularização, no que diz respeito ao Leixões, ficará completa hoje".

Em causa estão jogadores africanos e brasileiros das equipas sub-19 e sub-18, esclareceu Paulo Lopo.

O dirigente manifestou-se surpreendido por o comunicado do SEF dar conta ainda do levantamento de um "procedimento contraordenacional ao clube", afirmando que os inspetores do SEF que estiveram na quarta-feira no Leixões "foram até bastante pedagógicos, explicado o que tinha de ser feito para a regularização".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.