Saltador paralímpico com marca que lhe teria dado ouro no Rio 2016

Markus Rehm, com uma perna amputada aos 14 anos, tentou autorização para ir aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Federação Internacional negou-lhe o acesso e este domingo conseguiu um salto que lhe daria o ouro na cidade maravilhosa

Markus Rehm perdeu a perna direita aos 14 anos num acidente de esqui aquático. Mas nunca a determinação. Numa luta acesa com a IAFF (Federação Internacional de Atletismo), o "blade jumper" (utiliza uma lâmina como prótese), tentou aceder aos Jogos Olímpicos 2016. Mas foi-lhe negado o acesso.

Rehm tem por lema "define o teu limite" e o dele próprio parece ser preciosamente maleável. Nos Europeus paralímpicos, o saltador alemão de 30 anos conseguiu 8,48 metros no comprimento. A terceira melhor marca absoluta do ano, apenas ultrapassada por Juan Miguel Echevarria (8,68) e Luvo Manyonga (8,58), ambos bípedes.

Mas a ironia, bastante amarga para a luta de Rehm, é que salto que conseguiu este domingo em Berlim teria-lhe valido o ouro olímpico no Rio 2016. O vencedor do salto em comprimento, Jeff Henderson, conseguiu-o com 8,38. Menos dez centímetros do que a marca registada agora por Rehm.

O alemão domina de forma absoluta o salto em comprimento paralímpico, detendo com esta marca o recorde mundial na categoria T64 (atletas com prótese numa perna) e desde 2011 que ninguém o bate. É tricampeão mundial (Lyon 2013, Doha 2015 e Londres 2017), bicampeão Paralímpico (Londres 2012 e Río 2016) e bicampeão da Europa (Grosseto 2016 e Berlim 2018).

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.