Saiba quem apoia cada candidato às eleições do Sporting

José Maria Ricciardi e Frederico Varandas são os únicos candidatos que apresentaram Comissões de Honra

Seis candidaturas aos órgãos sociais do Sporting, diferentes estratégias de campanha. Em relação aos apoios de personalidades ligadas ao clube e à sociedade em geral, Frederico Varandas e José Maria Ricciardi foram os únicos que reuniram uma extensa lista de nomes para compor uma Comissão de Honra.

O antigo diretor clínico do Sporting, o primeiro a apresentar-se como candidato, é quem leva a melhor na quantidade de notáveis, contando com os ex-treinadores do clube Jorge Jesus e Mário Lino, antigos futebolistas como Hilário, Slimani, Hugo Viana, Anderson Polga, Acosta, Juskowiak, Luisinho, Duscher e Beto, antigos atletas como Dionísio Castro, Fernando Mamede e Carla Sacramento, o antigo presidente António Dias da Cunha e os antigos dirigentes Luís Duque, Eduardo Barroso e Daniel Sampaio, os dois últimos com ligações às candidaturas de Bruno de Carvalho nas eleições anteriores.

Ricciardi, por sua vez, terá o apoio de Pedro Madeira Rodrigues, que desistiu em prol do banqueiro, mas há nomes mais sonantes como os antigos futebolistas Jorge Cadete e Marco Caneira, sendo que o antigo defesa vai ser integrado na estrutura do futebol como controller. Os antigos presidentes do clube Filipe Soares Franco e José Roquette, o antigo dirigente Vicente de Moura, os ex-ministros Eduardo Catroga e Eduardo Marçal Grilo, o empresário Alexandre Soares dos Santos, o presidente do Automóvel Clube de Portugal Carlos Barbosa, o banqueiro António Horta Osório, o economista Miguel Horta e Costa, o advogado Diogo Lacerda Machado e o ator e músico Vítor Espadinha são alguns dos elementos da Comissão de Honra de José Maria Ricciardi.

Visão bem diferente tem João Benedito. "Connosco, não haverá sócios de primeira nem de segunda; somos e seremos todos iguais enquanto sócios do Sporting", fez questão de dizer aquando do anúncio da sua candidatura. Ainda assim, tem nomes sonantes anunciados a ele, como André Cruz e Peter Schmeichel, campeões nacionais em 1999/00 que em caso de vitória serão diretor desportivo e assessor da administração para a área internacional, respetivamente.

Dias Ferreira também optou por não anunciar Comissão de Honra, mas o ex-vice-presidente para a área financeira Carlos Vieira já disse publicamente que apoiava o advogado. O antigo guarda-redes Ricardo Pereira será o team manager em caso de triunfo no sufrágio de dia 8.

Quem também divulgou alguns apoios sonantes foi Fernando Tavares Pereira, que no anúncio da candidatura teve a seu lado o ex-conselheiro leonino Rui Barreiro, o antigo presidente da Câmara Municipal de Loures Carlos Teixeira, o antigo treinador de kickboxingFernando Fernandes e o antigo ciclista Carlos Teixeira.

Já Rui Jorge Rego aposta tudo no seu diretor do futebol, o antigo lateral esquerdo internacional brasileiro Roberto Carlos, um nome sem ligação ao Sporting mas uma figura incontornável no futebol mundial.

Estes são alguns dos apoiantes conhecidos, sendo que nas listas aos órgãos sociais do clube de cada candidatura existem outros nomes bem conhecidos do universo leonino. Pode consultar essas listas aqui.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.