Saiba os adversários que podem calhar a FC Porto e Benfica

São seis as equipas, precisamente as mesmas, que não podem defrontar FC Porto e Benfica, o que inviabiliza desde logo encontros com Mourinho e Paulo Fonseca.

Com a qualificação do Benfica, que bateu por 4-1 o PAOK Salónica, Portugal passa a ter duas equipas na fase de grupos da Liga dos Campeões. O êxito encarnado possibilita, desde logo, jogar a mão a 43 milhões de euros, mas agora é hora de olhar em frente e ver que adversários podem calhar em sorte, nesta quinta-feira (17.00), às equipas comandadas por Sérgio Conceição e Rui Vitória.

FC Porto e Benfica estão posicionadas no pote 2 e, por isso, impedidas de defrontar equipas do mesmo pote. Isto equivale por dizer que o Borussia Dortmund de Raphäel Guerreiro, o Manchester United de José Mourinho, o Shakhtar de Paulo Fonseca, o Nápoles de Mário Rui, o Tottenham e a Roma não podem ser adversários dos clubes portugueses.

No pote 1 estão as formações mais credenciadas como o tricampeão europeu Real Madrid, a Juventus de Ronaldo, o Manchester City de Guardiola e Bernardo Silva ou o Barcelona de Messi. O adversário mais apetitoso será, sem dúvida, o Lokomotiv Moscovo de Manuel Fernandes e Éder.

No pote 3 continuam a existir clubes de enorme poderio desportivo, ainda assim o Liverpool, que caiu para este pote por causa do Benfica, parece ser o adversário a evitar - quem não se lembra, na época passada, do duelo entre a equipa de Jurgen Klopp e o FC Porto nos oitavos de final da competição? Talvez o PSV Eindhoven e o Ajax sejam as equipas menos fortes deste pote. Quer uma, quer outra seriam excelentes adversários para encarnados e azuis e brancos.

A finalizar o pote 4 e aqui há muitas equipas à mercê de FC Porto e Benfica. O Hoffenheim e o Inter de Milão de João Mário são os clubes dispensáveis.

Composição dos potes

Pote 1 - Real Madrid (Espanha), Atlético Madrid (Espanha), Bayern Munique (Alemanha), Barcelona (Espanha), Juventus (Itália), PSG (França), Manchester City (Inglaterra) e Lokomotiv Moscovo (Rússia);

Pote 2 - Borussia Dortmund (Alemanha), FC PORTO (Portugal), Manchester United (Inglaterra), Shakhtar Donetsk (Ucrânia), BENFICA (Portugal), Nápoles (Itália), Tottenham (Inglaterra) e Roma (Itália);

Pote 3 - Liverpool (Inglaterra), Schalke 04 (Alemanha), Lyon (França), Mónaco (França), Ajax (Holanda), CSKA Moscovo (Rússia), PSV Eindhoven (Holanda), Valência (Espanha);

Pote 4 - Viktoria Plzen (Rep. Checa), Club Brugge (Bélgica), Galatasaray (Turquia), Young Boys (Suíça), Inter de Milão (Itália), Hoffenheim (Alemanha), Estrela Vermelha (Sérvia) AEK Atenas (Grécia);

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.