Rummenigge garante que Renato Sanches fica no Bayern

O presidente do clube de Munique bem impressionado pela "grande forma" do médio português

Karl-Heniz Rummenigge, presidente do Bayern Munique, garantiu que Renato Sanches vai ficar no plantel para a nova época.

"O Renato vai ficar connosco. Queremos que tenha uma oportunidade com o Niko Kovac [treinador], que o colocou em grande forma", assumiu o antigo futebolista e atual líder dos bávaros, após o jogo com a Juventus, nos Estados Unidos, a contar para a International Champions Cup, que os italianos venceram por 2-0.

Renato Sanches apenas jogou na segunda parte dessa partida, quando o resultado já tinha sido construído, mas Rummenigge fez questão de deixar elogios ao internacional português: "Ele está a deixar boa impressão, tem demonstrado estar bem física e psicologicamente e está a lutar por uma oportunidade."

Nos últimos tempos, muito se falou da possibilidade do médio voltar a ser emprestado, com o Benfica à cabeça dos interessados, mas o presidente do Bayern afastou essa possibilidade de forma clara: "Nós investimos muito dinheiro no Renato Sanches porque estamos convencidos sobre a sua qualidade, como tal não temos intenção de emprestar o Renato para um clube português."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.