Gedson mostra-se ao mundo e Benfica continua na rota dos milhões

Benfica empatou em Istambul, confirmando ser mais equipa que o Fenerbahçe. Para a história fica o enorme jogo de um jovem. Segue-se o PAOK de Vieirinha, os 40 milhões de euros estão à distância de 180 minutos

O Benfica está no playoff que antecede a fase de grupos da Liga dos Campeões, fase que vai discutir com o PAOK de Salónica do internacional português Vieirinha. Os encarnados, empataram nesta terça-feira em Istambul, a um golo, colocando o Fenerbahçe fora da elite do futebol europeu.

A equipa de Rui Vitória entrou em campo assobiada por 50 mil adeptos mas rapidamente inverteu esse panorama, pois mostrou ser muito mais equipa do que o Fenerbahçe. Bastou uma entrada corajosa, arrojada e com um jovem a brilhar a grande altura - Gedson, pois claro - para desnortear a formação turca. Ainda assim os locais tentavam, mas era um tentar incapaz, próprio de quem tem falta de capacidade para disputar uma eliminatória com o Benfica que soube lidar bem com o jogo e também com a eliminatória.

Rui Vitória, que já não tinha Jonas, optou por Castillo deixando Ferreyra no banco. E em boa hora o fez, pois o chileno foi essencial no golo do Benfica, ao fazer uma combinação perfeita com atrevido Gedson que depois antecipou-se a Demirel, demasiado lento a sair da baliza. Logo a seguir o chileno lesionou-se e Ferreyra entrou. Mostrando que está um pouco fora deste puzzle enorme chamado Benfica, o argentino foi desmarcado pelo compatriota Salvio, ladeou Demirel e atirou às redes laterais. No minuto quase a seguir o Fenerbahçe empatou numa jogada em que Potuk mostrou todas as deblidades de Grimaldo a defender.

Nos primeiros 45 minutos houve dois jogadores, para lá de Gedson, que mereciam um destaque; Elmas, um jovem médio macedónio de apenas 18 anos e que se revelou o cérebro deste Fenerbahçe, e Vlachodimos que susteve com classe um remate do próprio Elmas.

A boa decisão de Rui Vitória


O início do segundo tempo foi doloroso para o Benfica, com o Fenerbahçe, ainda empertigado com o empate nos descontos da primeira parte, a tentar chegar ao segundo golo com rapidez para depois aspirar ao tento que lhe permitisse a qualificação. Mas com calma o Benfica assentou o seu jogo, muito por culpa de Gedson que não era só o pulmão, era também o talento e a coragem de levar a equipa para a frente. O Benfica tem mais um enorme intérprete nas suas fileiras.


Aos 65 minutos, Cocu, treinador holandês do Fenerbahçe, fez o que lhe competia, fazendo entrar o extremo Baris e o avançado Soldado dispondo a sua equipa num arrojado 4x2x4. E a verdade é que o Benfica sofreu, teve alguns minutos em que não conseguiu sair para o meio-campo contrário. Rui Vitória assustou-se com um remate perigoso de Baris, que fez brilhar novamente Vlachodimos e tomou a sua decisão; retirou Salvio, meteu Alfa Semedo em campo para jogar ao lado de Fejsa, libertou Gedson e atirou Pizzi para o flanco direito. E pronto, o Fenerbahçe foi perdendo gás, muito gás.

Até final confirmou-se a ideia inicial; o Benfica teve sempre a eliminatória controlada, é mais equipa que o Fenerbahçe e tem uma ideia de jogo mais trabalhada, mesmo que nalguns momentos tenha tido alguns momentos de desequilíbrio emocional. Mas o importante é que continua na perseguição aos mais de 40 milhões que estão garantidos caso entre na fase de grupos.

Figura

Gedson Fernandes. Tem apenas 19 anos, mas não tem medo de tomar decisões, mesmo que sejam erradas. Costuma dizer-se que na vida pior que uma má decisão é uma não decisão. Mas Gedson também sabe tomar boas decisões. Foi isso que valeu o golo do Benfica no estádio do Fenerbahçe após uma bela combinação com Castillo. Tem um talento impressionante, que, aliado à sua robustez física, ameaça ser um caso sério. Para já, e isto não é coisa de somenos, é titular sem contestação do Benfica e desde esta terça-feira deve ter o seu nome bem sublinhado nalguns cadernos de olheiros dos principais clubes europeus. E atenção à próxima convocatória de Fernando Santos...

Ficha de jogo

Jogo realizado no estádio Sükrü Saraçoglu, em Istambul.

Fenerbahçe - Benfica, 1-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Gedson, 26 minutos

1-1, Alper Potuk, 45+1

Equipas:

Fenerbahçe: Volkan Demirel, Isla (Ozbayrakli, 79), Neustadter, Skrtel, Hasan Ali Kaldirim, Mehmet Topal (Baris Alici, 65), Elmas, Giuliano, Valbuena (Soldado, 65), Alper Potuk e André Ayew.

(suplentes: Kameni, Dirar, Soldado, Mehmet Ekici, Ozbayrakli, Baris Alici e Guveli).

Treinador: Philip Cocu.

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Gedson, Pizzi, Salvio (Alfa Semedo, 72), Castillo (Ferreyra, 34) e Cervi.

(suplentes: Svilar, Conti, Alfa Semedo, Zivkovic, Samaris, Rafa e Ferreyra).

Treinador: Rui Vitória.

Árbitro: Slavko Vincic (Eslovénia).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Elmas (22), Vlachodimos (52), Salvio (56), Rúben Dias (62) e Pizzi (83).

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?