Bruno Fernandes eleito melhor jogador da I Liga

A Liga atribuiu esta sexta-feira os prémio relativos à época 2017/18 da I e II Liga

Bruno Fernandes, médio que rescindiu o contrato com o Sporting, foi eleito esta sexta-feira melhor jogador da temporada 2017/18 na I Liga.

A lista de prémios atribuídos destacam-se ainda Casillas (FC Porto) com o troféu fair-play, Rúben Dias é o melhor jogador jovem da temporada; enquanto o melhor treinador da I Liga é Sérgio Conceição, campeão pelo FC Porto.

O melhor golo foi apontado por Rodrigo Pinho, do Marítimo, num jogo disputado no Estádio dos Barreiros, relativo à 10ª jornada da I Liga.

Além disso, foi ainda eleito o melhor onze da temporada, composto na sua maioria por jogadores de Sporting e FC Porto.

A Liga decidiu ainda atribuir o prémio Prestigio a Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, uma distinção que se fica a dever ao facto de ter "uma vida dedicada ao dirigismo desportivo".

I LIGA

Prémio Clube Fair-Play: Desp. Chaves

Troféu Jogador Fair-Play: Iker Casillas (FC Porto)

Troféu Jogador Jovem do Ano: Rúben Dias (Benfica)

Troféu Melhor Marcador: Jonas (Benfica)

Troféu Melhor Treinador: Sérgio Conceição (FC Porto)

Onze do Ano: Rui Patrício (Sporting); Ricardo Pereira (FC Porto), Coates (Sporting), Felipe (FC Porto), Alex Teles (FC Porto); Bruno Fernandes (Sporting), Herrera (FC Porto), Pizzi (Benfica); Marega (FC Porto), Jonas (Benfica), Gelson Martins (Sporting)

Troféu Golo do Ano: Rodrigo Pinho (Marítimo)

Troféu Melhor Jogador: Bruno Fernandes (Sporting)

II LIGA

Troféu Clube Fair-Play: Benfica B

Troféu Jogador Fair-Play: Artur Abreu (V. Guimarães B)

Troféu Jogador Jovem do Ano: Chiquinho (Académica)

Troféu Melhor Guarda-Redes: Ricardo Ribeiro (Académica)

Troféu Melhor Marcador: Ricardo Gomes (Nacional)

Troféu Melhor Treinador: Costinha (Nacional)

Troféu Melhor Jogador: Ricardo Gomes (Nacional)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.