Ronaldo entre os dez candidatos ao troféu The Best da FIFA. Neymar de fora

Avançado português venceu as duas últimas e únicas edições deste prémio. Entre os nomeados estão Messi, Mbappé, Kane e Modric. A surpresa é a ausência de Neymar.

A FIFA anunciou nesta terça-feira a lista de dez candidatos ao troféu The Best, que distingue anualmente os melhores jogadores do mundo (não confundir com a Bola de Ouro da France Football). Cristiano Ronaldo, que neste mês trocou o Real Madrid pela Juventus e que venceu as duas únicas edições, está obviamente entre os nomeados e é um dos favoritos a voltar a receber o prémio. Na lista a grande surpresa é a ausência do brasileiro Neymar. E provavelmente a maior surpresa é a inclusão do avançado inglês Harry Kane, do Tottenham.

Eis os dez nomeados:

Cristiano Ronaldo (Real Madrid/Portugal)
Kylian Mbappé (PSG/França)
Luka Modric (Real Madrid/Croácia)
Eden Hazard (Chelsea/Bélgica)
Kevin De Bruyne (Man. City/Bélgica)
Lionel Messi (Barcelona/Argentina)
Antoine Griezmann (At. Madrid/França)
Mohamed Salah (Liverpool/Egito)
Raphael Varane (Real Madrid/França)
Harry Kane (Tottenham/Inglaterra)

Ou seja, entre os dez candidatos estão três jogadores que se sagraram campeões do mundo pela França na Rússia: Mbappé, Griezmann e Varane. O croata Luka Modric, que venceu a Champions League pelo Real Madrid e foi finalista do Campeonato do Mundo, está igualmente presente, numa lista que não inclui qualquer guarda-redes.

Esta lista de dez nomes (uma novidade, pois nas últimas duas edições eram 23) é da responsabilidade de grandes nomes do futebol mundial, casos de Kaká, Ronaldo, Carlos Alberto Parreira, Lothar Matthäus, Alessandro Nesta, Fabio Capello, Didier Drogba, Frank Lampard, Sami Al Jaber, Emmanuel Amunike, Cha Bum-Kun, Andy Roxburgh e Wynton Rufer. Dentro de algumas semanas será reduzida a três nomes e no dia 24 de setembro, na Gala da FIFA, em Londres, será conhecido o nome do vencedor.

A partir de agora, a responsabilidade dos eleitos ficará a cargo dos capitães das várias seleções nacionais, selecionadores, adeptos (através do site da FIFA) e jornalistas - cada um contará 25% para a votação final.

Este troféu premeia o melhor jogador do mundo no espaço compreendido entre 3 de julho de 2017 e 15 de julho deste ano. Nas duas últimas e únicas edições, Cristiano Ronaldo foi o vencedor, batendo Lionel Messi, Antoine Griezmann e Neymar.

Desde 2008 que os prémios para o melhor do mundo (Bola de Ouro e The Best) são discutidos entre Ronaldo e Messi. Neste ano existe alguma expectativa, já que Portugal e Argentina foram eliminados nos oitavos-de-final do Mundial e pode haver um intruso. Kylian Mbappé e Luka Modric têm sido apontados como os mais fortes candidatos a intrometer-se nesta luta.

Eis os argumentos de Cristiano Ronaldo (2017-18):

50 golos marcados (entre Real Madrid e seleção nacional)
1 Liga dos Campeões
1 Supertaça de Espanha
1 Mundial de Clubes
1 Supertaça Europeia

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.