Ronaldo entre os dez candidatos ao troféu The Best da FIFA. Neymar de fora

Avançado português venceu as duas últimas e únicas edições deste prémio. Entre os nomeados estão Messi, Mbappé, Kane e Modric. A surpresa é a ausência de Neymar.

A FIFA anunciou nesta terça-feira a lista de dez candidatos ao troféu The Best, que distingue anualmente os melhores jogadores do mundo (não confundir com a Bola de Ouro da France Football). Cristiano Ronaldo, que neste mês trocou o Real Madrid pela Juventus e que venceu as duas únicas edições, está obviamente entre os nomeados e é um dos favoritos a voltar a receber o prémio. Na lista a grande surpresa é a ausência do brasileiro Neymar. E provavelmente a maior surpresa é a inclusão do avançado inglês Harry Kane, do Tottenham.

Eis os dez nomeados:

Cristiano Ronaldo (Real Madrid/Portugal)
Kylian Mbappé (PSG/França)
Luka Modric (Real Madrid/Croácia)
Eden Hazard (Chelsea/Bélgica)
Kevin De Bruyne (Man. City/Bélgica)
Lionel Messi (Barcelona/Argentina)
Antoine Griezmann (At. Madrid/França)
Mohamed Salah (Liverpool/Egito)
Raphael Varane (Real Madrid/França)
Harry Kane (Tottenham/Inglaterra)

Ou seja, entre os dez candidatos estão três jogadores que se sagraram campeões do mundo pela França na Rússia: Mbappé, Griezmann e Varane. O croata Luka Modric, que venceu a Champions League pelo Real Madrid e foi finalista do Campeonato do Mundo, está igualmente presente, numa lista que não inclui qualquer guarda-redes.

Esta lista de dez nomes (uma novidade, pois nas últimas duas edições eram 23) é da responsabilidade de grandes nomes do futebol mundial, casos de Kaká, Ronaldo, Carlos Alberto Parreira, Lothar Matthäus, Alessandro Nesta, Fabio Capello, Didier Drogba, Frank Lampard, Sami Al Jaber, Emmanuel Amunike, Cha Bum-Kun, Andy Roxburgh e Wynton Rufer. Dentro de algumas semanas será reduzida a três nomes e no dia 24 de setembro, na Gala da FIFA, em Londres, será conhecido o nome do vencedor.

A partir de agora, a responsabilidade dos eleitos ficará a cargo dos capitães das várias seleções nacionais, selecionadores, adeptos (através do site da FIFA) e jornalistas - cada um contará 25% para a votação final.

Este troféu premeia o melhor jogador do mundo no espaço compreendido entre 3 de julho de 2017 e 15 de julho deste ano. Nas duas últimas e únicas edições, Cristiano Ronaldo foi o vencedor, batendo Lionel Messi, Antoine Griezmann e Neymar.

Desde 2008 que os prémios para o melhor do mundo (Bola de Ouro e The Best) são discutidos entre Ronaldo e Messi. Neste ano existe alguma expectativa, já que Portugal e Argentina foram eliminados nos oitavos-de-final do Mundial e pode haver um intruso. Kylian Mbappé e Luka Modric têm sido apontados como os mais fortes candidatos a intrometer-se nesta luta.

Eis os argumentos de Cristiano Ronaldo (2017-18):

50 golos marcados (entre Real Madrid e seleção nacional)
1 Liga dos Campeões
1 Supertaça de Espanha
1 Mundial de Clubes
1 Supertaça Europeia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?