Queiroz lembra "geração de ouro" no primeiro dia como selecionador da Colômbia

O treinador português foi apresentado no novo cargo, revelou o que disse a João Pinto, Fernando Couto e Rui Costa em 1989 e garantiu que "James Rodríguez, Falcao e David Ospina fazem parte da alma da seleção colombiana"

Carlos Queiroz foi esta quinta-feira apresentado como novo selecionador da Colômbia, tendo já sido traçado como principal objetivo o apuramento para o Mundial 2022, que se realiza no Qatar.

O ex-selecionador do Irão, de 65 anos, deixou claro que para ele é "uma honra" ter sido escolhido pela federação colombiana. "Vou tentar fazer o melhor para que possa cuidar do património que cresceu ao longo dos anos. A missão é melhorar em todos os campos. Vamos ser exigentes", anunciou o treinador português.

Na primeira conferência de imprensa no seu novo cargo, Queiroz lembrou o seu início de trajeto nas seleções jovens portuguesas, recordando a denominada "geração de ouro" que conquistou dois Campeonatos do Mundo de sub-20.

"Temos todos de ter uma grande ambição e temos de criar uma cultura de fazer melhor todos os dias. Essa é a identidade que temos de ter. Em 1989, quando tive alguns meninos à minha frente que, não sei se conhecem, João Pinto, Fernando Couto, Rui Costa..., dizia-lhes que estávamos ali para sermos campeões do mundo. E o que recebi de todos eles foi um sorriso porque pensavam que eu estava louco. A visão que tinha em 1989 é a mesma de hoje. Se queres ser melhor e ser campeão, é preciso ser campeão todos os dias", sublinhou.

Carlos Queiroz revelou depois que já falou por telefone com alguns dos jogadores que habitualmente fazem parte da seleção colombiana e prometeu "em breve" falar com eles pessoalmente. "Sempre que houver uma oportunidade de trabalhar com eles, vou aproveitá-la ao máximo e a ideia é fazer dois jogos em março", assumiu.

Nesse sentido, garantiu ainda que "jogadores como James Rodríguez, Falcao e David Ospina são essenciais", tendo em conta as suas "análises e observações" que fez à seleção colombiana. "Eles fazem parte da alma da seleção colombiana e tenho de ouvi-los bem", prometeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.