Produtores de leite bloquearam centro de treinos do Cagliari

Protestos em toda a Sardenha contra a redução do preço do leite chegaram até ao futebol. Jogadores derramaram leite em sinal de solidariedade e só depois puderam viajar para Milão

Em luta contra a baixa do preço do leite que ameaça a sustentabilidade dos produtores, os protestos dos criadores de gado estenderam-se um pouco por toda a Sardenha e uma centena deles resolveu mesmo bloquear o centro de treinos do Cagliari, equipa da Série A italiana.

Os produtores chegaram carregados de recipientes com leite e bloquearam a saída, pedindo para falar com jogadores e dirigentes do clube. Sob supervisão das forças de segurança e num ambiente pacífico, os agricultores pediram que o Cagliari se juntasse a este protesto e que não viajasse para Milão, onde domingo defronta o AC Milan.

"Então - disse um dos criadores -, nos jornais escrever-se-á que o jogo foi adiado não por neve ou chuva, mas por protesto contra os industriais do leite". "Só queremos defender os nossos direitos. Nós produzimos leite a um euro mais IVA e não voltamos atrás. Se não conseguem vendê-lo a um preço decente nos supermercados não é culpa nossa", justificaram os manifestantes.

Tudo se resolveu com alguns jogadores, como Barrella, Deiola ou joão Pedro, a juntarem-se de forma simbólica ao protesto, derrubando alguns litros de leite no chão. "Preferimos deitar o leite fora do que baixar o preço", garantem os produtores. A equipa do Cagliari seguiu entretanto viagem para Milão.


Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.