Os reforços mais caros da Liga

Central Chancel Mbemba, contratado pelo FC Porto, encabeça a lista

Numa temporada que arranca comedida nos gastos dos clubes portugueses no mercado, com o montante global mais baixo dos últimos anos despendido em contratações (65,5 milhões de euros, segundo dados do site transfermarkt), a aquisição mais cara da Liga 2018/19 é um jogador que não vai marcar presença no início do campeonato: o central congolês Chancel Mbemba, contratado pelo FC Porto ao Newcastle por oito milhões de euros.

Mbemba lesionou-se no primeiro treino pelos dragões e não vai poder dar o seu contributo à equipa de Sérgio Conceição nas primeiras jornadas da Liga. Quem também não vai estar nesta primeira jornada, mas por castigo, é o chileno Nicolas Castillo, do Benfica, o segundo jogador mais caro desta lista. O reforço encarnado para o ataque cumpre suspensão devido à expulsão no último jogo pelo Pumas, na liga mexicana da época passada.

Aqui fica o top-10 das contratações mais caras para esta época até ao momento, recordando que o mercado encerra apenas no final de agosto.

Contratações mais caras

1
Chancel Mbemba
Defesa Central, FC Porto, 8 milhões de euros
2
Nicolás Castillo
Ponta de Lança, Benfica, 6,85 milhões
3
Raphinha
Extremo, Sporting, 6,5 milhões
4
Bruno Gaspar
Lateral Direito, Sporting, 4,5 milhões
5
Éder Militão
Defesa direito/central, FC Porto, 4 milhões
6
João Pedro
Lateral Direito, FC Porto, 4 milhões
7
Germán Conti
Defesa Central, Benfica, 3,5 milhões
8
Bruno Viana
Defesa Central, Sp. Braga, 3 milhões
9
Saidy Janko *
Lateral Direito FC Porto 3 M €
10
Odysseas Vlachodimos
Guarda-Redes Benfica 2,43 M €

* jogador já foi dispensado pelo FC Porto

dados retirados do site especializado transfermakt

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".