Luka Modric foi coroado como o melhor jogador da UEFA pela primeira vez

Cristiano Ronaldo falhou a quarta distinção da UEFA. Português era um dos três finalistas, mas desta vez não saiu vencedor. Croata do Real Madrid foi coroada rei da Europa, depois da conquista da Champions e de ser vice-campeão mundial.

É raro e já não acontecia desde 2016, mas, desta vez, Cristiano Ronaldo não venceu. O português não esteve presente na cerimónia da UEFA e por isso não viu Luka Modric (Real Madrid) ser eleito o de melhor jogador do ano. Ele, Ronaldo ficou em segundo lugar e o egípcio Mohamed Salah (Liverpool).

Luka Modric, que também conquistou a Liga dos Campeões ao lado de Ronaldo e foi eleito melhor jogador do Mundial 2018, na Rússia, onde a Croácia atingiu a final, perdendo para a França, acabou por bater CR7 por 90 pontos.

Já o avançado Mohamed Salah do Liverpool foi finalista da Liga dos Campeões e terminou a competição com dez golos, além dos 32 golos em 36 jogos na Liga Inglesa, foi terceiro.

Melhor avançado e melhor golo para CR7

Vencedor do prémio em 2013-14, 2015-16 e 2016-17, Cristiano Ronaldo era a favorito ao ceptro europeu, mas foi o croata que o levou para casa durante o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões, que se realizou esta quinta-feira no Mónaco. Sem a companhia de Messi, vencedor do prémio em 2010-11 e 2014-15, CR7 também não saiu vencedor.

Desta vez, de nada valeu a Ronaldo a conquista da quinta Champions, pelo Real Madrid, e o título de melhor marcador da prova rainha da UEFA. O troféu foi para um ex-colega de equipa, que além da conquista da Champions foi vice-campeão mundial na Rússia e eleito o melhor jogador do Mundial 2018.

Ronaldo é o único totalista de presenças no trio de finalistas ao prémio de melhor jogador, com sete em sete edições, tendo vencido em 2013/14, 2015/16 e 2016/17, sido segundo em 2011/12 e 2017/18 e terceiro em 2012/13 e 2014/15.

Para consolo, aos 33 anos e depois de no início da época ter trocado os espanhóis do Real Madrid pelos italianos da Juventus, fica o prémio de melhor avançado do Ano e o de melhor golo do ano para a UEFA. Um golo espetacular, de pontapé de bicicleta, marcado à atual equipa, a Juventus, e marcado nos quartos-de-final da Liga dos Campeões do ano passado.

O júri foi composto por 80 treinadores de clubes que participaram nas fases de grupos da Liga dos Campeões (32) e Liga Europa (48), e 55 jornalistas de publicações associadas à European Sports Media (ESM), representando cada um dos países membros da UEFA. Cada júri escolheu três jogadores, atribuindo cinco pontos ao primeiro, três ao segundo e um ao terceiro. Os treinadores não puderam votar em jogadores da sua equipa

Classificação Jogador do Ano da UEFA


1- Luka Modrić (Real Madrid) - 313 pontos

2- Cristiano Ronaldo (Real Madrid) - 223

3- Mohamed Salah (Liverpool) - 134

4- Antoine Griezmann (Atlético Madrid) - 72

5- Lionel Messi (Barcelona) - 55

6- Kylian Mbappé (Paris SG) - 43

7- Kevin De Bruyne (Manchester City) - 28

8- Raphaël Varane (Real Madrid) - 23

9- Eden Hazard (Chelsea) - 15

10- Sergio Ramos (Real Madrid) - 12

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.