Luka Modric foi coroado como o melhor jogador da UEFA pela primeira vez

Cristiano Ronaldo falhou a quarta distinção da UEFA. Português era um dos três finalistas, mas desta vez não saiu vencedor. Croata do Real Madrid foi coroada rei da Europa, depois da conquista da Champions e de ser vice-campeão mundial.

É raro e já não acontecia desde 2016, mas, desta vez, Cristiano Ronaldo não venceu. O português não esteve presente na cerimónia da UEFA e por isso não viu Luka Modric (Real Madrid) ser eleito o de melhor jogador do ano. Ele, Ronaldo ficou em segundo lugar e o egípcio Mohamed Salah (Liverpool).

Luka Modric, que também conquistou a Liga dos Campeões ao lado de Ronaldo e foi eleito melhor jogador do Mundial 2018, na Rússia, onde a Croácia atingiu a final, perdendo para a França, acabou por bater CR7 por 90 pontos.

Já o avançado Mohamed Salah do Liverpool foi finalista da Liga dos Campeões e terminou a competição com dez golos, além dos 32 golos em 36 jogos na Liga Inglesa, foi terceiro.

Melhor avançado e melhor golo para CR7

Vencedor do prémio em 2013-14, 2015-16 e 2016-17, Cristiano Ronaldo era a favorito ao ceptro europeu, mas foi o croata que o levou para casa durante o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões, que se realizou esta quinta-feira no Mónaco. Sem a companhia de Messi, vencedor do prémio em 2010-11 e 2014-15, CR7 também não saiu vencedor.

Desta vez, de nada valeu a Ronaldo a conquista da quinta Champions, pelo Real Madrid, e o título de melhor marcador da prova rainha da UEFA. O troféu foi para um ex-colega de equipa, que além da conquista da Champions foi vice-campeão mundial na Rússia e eleito o melhor jogador do Mundial 2018.

Ronaldo é o único totalista de presenças no trio de finalistas ao prémio de melhor jogador, com sete em sete edições, tendo vencido em 2013/14, 2015/16 e 2016/17, sido segundo em 2011/12 e 2017/18 e terceiro em 2012/13 e 2014/15.

Para consolo, aos 33 anos e depois de no início da época ter trocado os espanhóis do Real Madrid pelos italianos da Juventus, fica o prémio de melhor avançado do Ano e o de melhor golo do ano para a UEFA. Um golo espetacular, de pontapé de bicicleta, marcado à atual equipa, a Juventus, e marcado nos quartos-de-final da Liga dos Campeões do ano passado.

O júri foi composto por 80 treinadores de clubes que participaram nas fases de grupos da Liga dos Campeões (32) e Liga Europa (48), e 55 jornalistas de publicações associadas à European Sports Media (ESM), representando cada um dos países membros da UEFA. Cada júri escolheu três jogadores, atribuindo cinco pontos ao primeiro, três ao segundo e um ao terceiro. Os treinadores não puderam votar em jogadores da sua equipa

Classificação Jogador do Ano da UEFA


1- Luka Modrić (Real Madrid) - 313 pontos

2- Cristiano Ronaldo (Real Madrid) - 223

3- Mohamed Salah (Liverpool) - 134

4- Antoine Griezmann (Atlético Madrid) - 72

5- Lionel Messi (Barcelona) - 55

6- Kylian Mbappé (Paris SG) - 43

7- Kevin De Bruyne (Manchester City) - 28

8- Raphaël Varane (Real Madrid) - 23

9- Eden Hazard (Chelsea) - 15

10- Sergio Ramos (Real Madrid) - 12

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.