O futebol pode ser só um detalhe na Arena Portugal

Apesar do desconhecimento e do desinteresse, há quem não hesite em parar por um momentos no Terreiro do Paço, em Lisboa, para ver a bola. Ou fingir que vê

Carolina, 20 anos, ia a passar no Terreiro do Paço, em Lisboa, quando viu, no ecrã gigante da Arena Portugal, que o jogo entre a Croácia e a Dinamarca deste domingo, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018, na Rússia, estava empatado a uma bola aos 16 minutos. Só não conseguiu perceber de que parte.

"Ainda não me habituei a esta contagem do tempo. Aqui contam até aos 90 minutos. No Brasil, contam até aos 45 minutos na primeira parte e, na segunda parte, voltam a contar até aos 45", explica a estudante universitária, natural do Brasil, residente no Porto e turista por uns dias em Lisboa. Acabou por ficar até ao intervalo, apesar de a partida não ser entre as duas seleções que a entusiasmam. Não é a única.

Naiara, por exemplo, vive na Grande Lisboa e está a mostrar a cidade, na companhia da filha, à cunhada e à sobrinha, australianas. Não são nem o Brasil nem Portugal que jogam, mas não deixa de ser - justifica a cidadã brasileira -, "um jogo da Copa do Mundo". Emma é mais direta: "Este jogo não me interessa". Já o miúdo diz apenas, enquanto brinca com o cabelo da mãe, que não gosta de futebol.

"Não é o desporto mais popular em Los Angeles", lembra, bem-disposta, a matriarca de uma família norte-americana de visita a Lisboa. O que não quer dizer que a Arena Portugal não possa ser uma atração. Prova disso é o empenho com que procura o melhor ângulo para mais uma fotografia da capital portuguesa. Afinal, dali, não é difícil "apanhar", a par da multidão, o Tejo e os torreões do Terreiro do Paço, dois dos seus principais cartões-de-visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.