O futebol pode ser só um detalhe na Arena Portugal

Apesar do desconhecimento e do desinteresse, há quem não hesite em parar por um momentos no Terreiro do Paço, em Lisboa, para ver a bola. Ou fingir que vê

Carolina, 20 anos, ia a passar no Terreiro do Paço, em Lisboa, quando viu, no ecrã gigante da Arena Portugal, que o jogo entre a Croácia e a Dinamarca deste domingo, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018, na Rússia, estava empatado a uma bola aos 16 minutos. Só não conseguiu perceber de que parte.

"Ainda não me habituei a esta contagem do tempo. Aqui contam até aos 90 minutos. No Brasil, contam até aos 45 minutos na primeira parte e, na segunda parte, voltam a contar até aos 45", explica a estudante universitária, natural do Brasil, residente no Porto e turista por uns dias em Lisboa. Acabou por ficar até ao intervalo, apesar de a partida não ser entre as duas seleções que a entusiasmam. Não é a única.

Naiara, por exemplo, vive na Grande Lisboa e está a mostrar a cidade, na companhia da filha, à cunhada e à sobrinha, australianas. Não são nem o Brasil nem Portugal que jogam, mas não deixa de ser - justifica a cidadã brasileira -, "um jogo da Copa do Mundo". Emma é mais direta: "Este jogo não me interessa". Já o miúdo diz apenas, enquanto brinca com o cabelo da mãe, que não gosta de futebol.

"Não é o desporto mais popular em Los Angeles", lembra, bem-disposta, a matriarca de uma família norte-americana de visita a Lisboa. O que não quer dizer que a Arena Portugal não possa ser uma atração. Prova disso é o empenho com que procura o melhor ângulo para mais uma fotografia da capital portuguesa. Afinal, dali, não é difícil "apanhar", a par da multidão, o Tejo e os torreões do Terreiro do Paço, dois dos seus principais cartões-de-visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.