O futebol pode ser só um detalhe na Arena Portugal

Apesar do desconhecimento e do desinteresse, há quem não hesite em parar por um momentos no Terreiro do Paço, em Lisboa, para ver a bola. Ou fingir que vê

Carolina, 20 anos, ia a passar no Terreiro do Paço, em Lisboa, quando viu, no ecrã gigante da Arena Portugal, que o jogo entre a Croácia e a Dinamarca deste domingo, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018, na Rússia, estava empatado a uma bola aos 16 minutos. Só não conseguiu perceber de que parte.

"Ainda não me habituei a esta contagem do tempo. Aqui contam até aos 90 minutos. No Brasil, contam até aos 45 minutos na primeira parte e, na segunda parte, voltam a contar até aos 45", explica a estudante universitária, natural do Brasil, residente no Porto e turista por uns dias em Lisboa. Acabou por ficar até ao intervalo, apesar de a partida não ser entre as duas seleções que a entusiasmam. Não é a única.

Naiara, por exemplo, vive na Grande Lisboa e está a mostrar a cidade, na companhia da filha, à cunhada e à sobrinha, australianas. Não são nem o Brasil nem Portugal que jogam, mas não deixa de ser - justifica a cidadã brasileira -, "um jogo da Copa do Mundo". Emma é mais direta: "Este jogo não me interessa". Já o miúdo diz apenas, enquanto brinca com o cabelo da mãe, que não gosta de futebol.

"Não é o desporto mais popular em Los Angeles", lembra, bem-disposta, a matriarca de uma família norte-americana de visita a Lisboa. O que não quer dizer que a Arena Portugal não possa ser uma atração. Prova disso é o empenho com que procura o melhor ângulo para mais uma fotografia da capital portuguesa. Afinal, dali, não é difícil "apanhar", a par da multidão, o Tejo e os torreões do Terreiro do Paço, dois dos seus principais cartões-de-visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.