Mundial2018: França e Bélgica disputam esta terça-feira a primeira vaga na final

Gauleses e diabos vermelhos disputam esta terça-feira (19.00) um lugar na final do Mundial. O vencedor ficará a aguardar o desfecho da segunda meia-final, que opõe na quarta-feira Inglaterra e Croácia.

Campeã em 1998, no "seu" Mundial, e finalista em 2006, a França procura alcançar a final pela terceira vez, e a segunda consecutiva em grandes competições, exatamente dois anos depois de ter deixado escapar o título do Euro 2016, em casa, para Portugal.

Após ter ultrapassado a Argentina (4-3), nos oitavos-de-final, e o Uruguai (2-0), nos quartos, os gauleses têm agora pela frente a Bélgica, que deixou pelo caminho o outro colosso sul-americano, o Brasil (2-1), depois de ter tremido perante o Japão (3-2) na primeira ronda a eliminar.

Para os diabos vermelhos, que pelo menos vão igualar a sua melhor classificação de sempre, o quarto lugar de 1986, esta é uma oportunidade de ouro para ir um pouco mais além, tendo em conta sobretudo a qualidade ofensiva que vêm demonstrando - ataque mais produtivo, com 14 golos marcados, contra nove dos franceses.

Mais consistentes do ponto de vista defensivo, os bleus deverão ter em Mbappé e Griezmann (três golos cada um) as principais armas no ataque à baliza do gigante Courtois, enquanto Lukaku (quatro golos), Hazard (dois) e de Bruyne (um) prometem dar dores de cabeça a Lloris.

O jogo realiza-se no Estádio de São Petersburgo, a partir das 19.00 (de Lisboa), e será arbitrado pelo uruguaio Andrés Cunha, enquanto o português Artur Soares Dias será o videoárbitro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.