Mourinho pede respeito e abandona conferência de imprensa

Português disse que o três era o número de golos sofridos com o Tottenham mas também o número de títulos de campeão inglês, mais um do que todos os restantes treinadores da Premier League juntos... isto após ser goleado em casa

Foi uma conferência de imprensa tensa aquela que se verificou em Old Trafford depois de o Manchester United ter sido goleado em casa pelo Tottenham.

José Mourinho que teve uma curiosa atitude no final - aplaudiu durante vários segundos os adeptos - teve de puxar dos galões e do currículo.

Como pode ver no vídeo abaixo o português ergueu três dedos e dirigiu-se ao jornalista que lhe fez a pergunta. "Você sabe qual foi o resultado? 3-0. Sabe o que estes três dedos significam? 3-0, mas também significam o número de títulos de campeão inglês que eu ganhei sozinho enquanto os outros treinadores da Premier League juntos só têm dois. Três para mim e dois para eles. Respeito, respeito, respeito, respeito, respeito", disse cinco vezes já de pé enquanto fazia o gesto de calma com a mão.

Como já dissemos, Mourinho após o apito final aplaudiu durante longos segundos os adeptos das bancadas de Old Trarfford num comportamento que mereceu reciprocidade. Curiosamente, quando saiu do banco o primeiro futebolista a quem Mourinho se dirigiu foi o lateral esquerdo Luke Shaw, um dos jogadores mais criticados nas duas épocas que leva de Manchester United.

Este jogo foi relativo à 3.ª jornada da Premier League e o Manchester United soma duas derrotas (fora com o Brighton, por 3-2, e a da noite desta segunda-feira com o Tottenham) e um triunfo difícil logo na jornada inaugural, em casa, diante do Leicester (2-1) de Ricardo Pereira e Adrien Silva.

A relação entre Mourinho e o vice-presidente Ed Woodward não é a melhor. O português esperava mais reforços mas o vice-presidente recusou-se a gastar mais dinheiro e é bom dizer que para esta época o Manchester United gastou 83 milhões de euros em três futebolistas: Fred (59), Diogo Dalot (22) e Lee Grant (1,7). E na época anterior o investimento foi de 165 milhões de euros.

Nas últimas semanas, foram várias as notícias que davam conta do mau estar entre os jogadores da equipa, tendo mesmo surgido notícias de que Zinedine Zidane poderia ser o próximo treinador do Manchester United, algo que foi negado por fonte do clube. Mas na casa de apostas José Mourinho já é o favorito a ser o primeiro treinador despedido em Inglaterra na currente temporada. E no que toca a sucessores, Zidane é um nome forte mas o italiano Antonio Conte surge logo a seguir.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.