Morreu Quinzinho, ex-jogador do FC Porto

O ex-avançado dos dragões morreu esta segunda-feira aos 45 anos vítima de um ataque cardíaco. Além do FC Porto, em Portugal representou o Rio Ave, Estoril, Desp. Aves, U. Leiria, Farense e Alverca.

Joaquim Alberto Silva, ex-jogador do FC Porto conhecido por Quinzinho, morreu esta segunda-feira vítima de um ataque cardíaco. O antigo futebolista, de 45 anos, nascido em Angola, é pai de Xande Silva, jogador do West Ham, de Inglaterra, que representou o V. Guimarães.

O Vilafranquense, clube onde Quinzinho exerceu há pouco tempo funções de preparador físico, lamentou o desaparecimento do antigo jogador que representou clubes como FC Porto, Rio Ave, Estoril Praia, U. Leiria, Desp. Aves, Farense, Alverca e Rayo Vallecano. "Deixou-nos subitamente aos 45 anos de idade. Os nossos pensamentos e profundos sentimentos estão com toda sua família neste momento de dor e angústia. Que descanse em paz", podia ler-se numa nota do clube ribatejano.

O FC Porto, através das redes sociais, também lembrou o antigo avançado, que ao serviço dos dragões sagrou-se duas vezes campeão nacional.

Entre 2003 e 2009, o avançado jogou em clubes chineses e acabou por terminar a carreira no ASA, de Luanda. Atualmente vivia em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.