Morreu João Sobrinho, antigo campeão de hóquei em patins

O sportinguista faleceu esta quinta-feira, aos 67 anos

João Sobrinho, antigo campeão europeu e mundial de hóquei em patins, que a nível de clubes se destacou no Sporting, morreu esta quinta-feirs, aos 67 anos, anunciou a Federação Portuguesa de Patinagem e o clube 'leonino'.

Sobrinho foi reconhecidamente um dos melhores jogadores da história do hóquei em patins português, tendo sido internacional entre 1975 e 1982, em equipas em que pontificavam também Livramento, Xana, Rendeiro e Ramalhete.

Nesses anos, foi por três vezes campeão da Europa e duas campeão do Mundo, integrando também a equipa do Sporting que conquistou a primeira Taça dos Campeões Europeus (agora Liga Europeia) para Portugal, em 1977, quebrando então a hegemonia dos clubes espanhóis.

Vindo da Juventude Salesiana, chegou ao Sporting em 1975 para ocupar a posição de médio durante seis temporadas. Pelos 'leões', conquistou quatro campeonatos nacionais, duas Taças de Portugal, uma Taça das Taças e a histórica Taça dos Campeões de 1977.

Sobrinho jogou 89 vezes pela seleção, ao serviço da qual marcou 81 golos.

Foi considerado Sócio de Mérito do Sporting e em 1992 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria especial.

Em homenagem ao jogador, será respeitado um minuto de silêncio na partida de hoje de Portugal com a França, do campeonato da Europa, que decorre na Corunha, em Espanha, e a seleção atuará com fumos negros.

A Federação Portuguesa de Patinagem testemunha, na sua página oficial, "eterna gratidão" pelo contributo de Sobrinho para a divulgação da modalidade, que interpretou como poucos". O Sporting também recorda o seu antigo jogador e apresenta "as mais sentidas condolências" à família.

O velório de João Sobrinho, realiza-se na sexta-feira, na Igreja de Alcabideche, e o funeral será no sábado, no Cemitério de Alcabideche, em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.