Morreu João Sobrinho, antigo campeão de hóquei em patins

O sportinguista faleceu esta quinta-feira, aos 67 anos

João Sobrinho, antigo campeão europeu e mundial de hóquei em patins, que a nível de clubes se destacou no Sporting, morreu esta quinta-feirs, aos 67 anos, anunciou a Federação Portuguesa de Patinagem e o clube 'leonino'.

Sobrinho foi reconhecidamente um dos melhores jogadores da história do hóquei em patins português, tendo sido internacional entre 1975 e 1982, em equipas em que pontificavam também Livramento, Xana, Rendeiro e Ramalhete.

Nesses anos, foi por três vezes campeão da Europa e duas campeão do Mundo, integrando também a equipa do Sporting que conquistou a primeira Taça dos Campeões Europeus (agora Liga Europeia) para Portugal, em 1977, quebrando então a hegemonia dos clubes espanhóis.

Vindo da Juventude Salesiana, chegou ao Sporting em 1975 para ocupar a posição de médio durante seis temporadas. Pelos 'leões', conquistou quatro campeonatos nacionais, duas Taças de Portugal, uma Taça das Taças e a histórica Taça dos Campeões de 1977.

Sobrinho jogou 89 vezes pela seleção, ao serviço da qual marcou 81 golos.

Foi considerado Sócio de Mérito do Sporting e em 1992 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria especial.

Em homenagem ao jogador, será respeitado um minuto de silêncio na partida de hoje de Portugal com a França, do campeonato da Europa, que decorre na Corunha, em Espanha, e a seleção atuará com fumos negros.

A Federação Portuguesa de Patinagem testemunha, na sua página oficial, "eterna gratidão" pelo contributo de Sobrinho para a divulgação da modalidade, que interpretou como poucos". O Sporting também recorda o seu antigo jogador e apresenta "as mais sentidas condolências" à família.

O velório de João Sobrinho, realiza-se na sexta-feira, na Igreja de Alcabideche, e o funeral será no sábado, no Cemitério de Alcabideche, em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.