Morreu Gordon Banks, guarda-redes campeão do mundo pela Inglaterra

Defendeu as redes da seleção inglesa no Mundial de 1966 no jogo frente a Portugal, onde sofreu um golo de Eusébio. Mas ainda hoje é lembrado por uma enorme defesa a um remate de Pelé no Mundial de 1970 no México.

Gordon Banks, um dos melhores guarda-redes de sempre ingleses que se sagrou campeão do mundo pela Inglaterra no Mundial de 1966, morreu esta terça-feira, aos 81 anos.

Banks, que nasceu em Sheffield, ganhou a Taça da Liga inglesa pelo Stoke City e Leicester, antes de se retirar dos relvados em 1973. "Estamos devastados por ter de anunciar que Gordon Banks morreu em paz durante a madrugada", anunciou a família do guardião.

Gordon Banks começou a carreira no Chesterfield, antes de se transferir para o Leicester, clube onde ganhou protagonismo e chegou à seleção - realizou a sua primeira internacionalização em 1963, contra a Escócia.

Participou em todos os jogos do Mundial de 1996, inclusivamente no jogo da meia-final em que a Inglaterra eliminou Portugal (2-1, golos de Bobby Charlton e Eusébio, de grande penalidade), sagrando-se depois campeão do mundo ao bater na final a Alemanha por 4-2, num jogo disputado em Wembley. Até ao golo de Eusébio, tinha estado 442 minutos na prova sem ter ido buscar a bola ao fundo das redes.

Um dos jogos mais memoráveis de Banks, contudo, aconteceu no Mundial do México, em 1970, quando realizou um exibição de sonho contra o Brasil (os ingleses perderam por 1-0 na fase de grupos), negando um golo a Pelé com uma defesa que ainda hoje é recordada. "Não vão lembrar-se de mim por ter sido campeão do mundo, mas sim pela defesa que fiz ao remate de Pelé", chegou a dizer.

Devido ao nome, era considerado um guarda-redes seguro como os bancos ingleses, por isso ficou para sempre célebre a frase "safe as the banks of England".

Banks realizou 73 jogos pela seleção inglesa e sofreu 57 golos. Esteve 35 jogos sem ir buscar a bola ao fundo das redes e foi apenas derrotado em nove ocasiões. Em 15 anos de carreira, o guardião partiu quatro vezes os dedos das mãos. E também fraturou o pulso da mão direita quando alinhava no Leicester.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.