Mbappé é o eleito do Real Madrid numa operação de 280 milhões de euros

Segundo a revista France Football, o avançado francês de 20 anos é o grande sonho do Real de Zidane.

O Real Madrid e o treinador Zinedine Zidane já elegeram a contratação milionária para o final da época: o avançado internacional francês Kylian Mbappé, jogador do Paris Saint-Germain.

De acordo com a revista France Football, que faz capa com este tema, a operação vai ser colocada em marcha na próxima semana e envolve valores nunca antes vistos no futebol mundial: 280 milhões de euros.

O Real Madrid já tentou contratar o avançado francês no verão de 2017, quando Mbappé estava no Mónaco, avançando com uma proposta de 180 milhões de euros (mais 34 milhões em impostos), segundo desvendou o Football Leaks, mas o jogador optou pelo PSG. Agora, depois de dois anos de deceções na Liga dos Campeões, com o PSG eliminado precocemente, o Real Madrid acredita que o jogador vai querer mudar de ares.

Mbappé, de 20 anos, leva esta temporada 31 golos marcados pelo PSG em 35 jogos e tem sido uma das figuras do emblema parisiense. Em agosto de 2017, o avançado assinou um contrato de um ano de empréstimo com o Paris Saint-Germain, mas que contemplava uma opção de compra obrigatória de 180 milhões de euros, valor que o clube de Paris pagou no último verão ao Mónaco.

A seguir a Neymar, também do PSG, Mbappé é a transferência mais cara do futebol mundial. Mas caso se concretize o negócio com o Real Madrid, no valor de 280 milhões de euros, o jovem francês passa a liderara a lista dos mais caros de sempre da história do futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.