Linfoma obriga Nuno Pinto do Vit.Setúbal a fazer pausa na carreira

Jogador sadino anunciou este domingo que vai concentrar-se na sua saúde e colocar o futebol de lado por uns tempos depois de descobrir que está doente.

Não é um adeus é um até já. Aos 32 anos, Nuno Pinto anunciou este domingo que fará uma pausa na carreira para tratar um problema grave de saúde, um linfoma (tumor das células sanguíneas que se desenvolvem a partir das células linfáticas). O lateral do V. Setúbal foi titular na semana passada frente ao Benfica, detetou doença em exames feitos durante a semana e decidiu interromper a carreira. "É um choque", admitiu o presidente dos sadinos, que este domingo se apresentou ao lado do jogador em conferência de imprensa.

Acompanhado de todos os jogadores do plantel sadino, equipa técnica, staff ligado ao futebol, funcionários do cube, família e alguns associados, Nuno Pintou ouviu palavras de conforto e sem esconder a emoção. "Ele é um guerreiro e Deus dá grandes batalhas aos grandes guerreiros. Todos temos a certeza que o Nuno vai vencer esta batalha", disse o capitão do V. Setúbal, Vasco Fernandes, em nome de todo o grupo de trabalho.

O médico Ricardo Lopes acompanhou o jogador e falou num "prognóstico bom", dizendo que a situação já está a ser acompanhada pelo IPO de Lisboa. "O tipo e extensão do linfoma estão ainda dependentes dos resultados dos exames realizados e que vai realizar", anunciou o médico do clube.

"Costuma-se dizer que por trás de um jogador está o homem. Estamos aqui com o Nuno Pinto, não enquanto jogador mas sim como homem, porque no âmbito de um exame detetado pelo nosso departamento médico foi verificado que tem um linfoma. A notícia foi um verdadeiro choque para nós mas no futebol estamos habituados a que na hora da derrota o primeiro pensamento é seguir-se uma vitória. O Nuno Pinto tem tido acompanhamento do departamento médico do Vitória, o doutor Ricardo [Lopes] tem sido incansável a acompanhá-lo em todos os procedimentos necessários. Ele entendeu transmitir a todos os colegas e staff a situação com que estava confrontado. Para evitar especulações, com o assentimento do Nuno, entendemos tornar público, sendo que é nestas horas que homens e instituições são colocados à prova. Neste caso, para nós, é fácil estar aqui nesta hora de dificuldade, por paradoxal que possa parecer. Contará com o apoio de todos nesta casa, dirigentes, staff, colegas e todos os que cá trabalham", explicou Vítor Hugo Valente.

Depois de ter começado a jogar no Vilanovense, Nuno Pinto foi ainda como infantil para o Boavista, onde fez toda a formação e se estreou-se na equipa principal em 2006/07. Saiu depois por empréstimo para o Trofense na temporada seguinte. Em 2008, assinou pelo Nacional, ficando três anos e meio na Madeira até iniciar quatro temporadas e meia no estrangeiro (Levski Sófia, Tavriya e Astra Giurgiu).

Regressou em 2015 à Liga portuguesa pelo Vit. Setúbal, assumindo-se desde início como titular na equipa dos sadinos. Esta época, levava já 12 partidas oficiais (dez a contar para o Campeonato, uma para a Taça de Portugal e uma para a Taça da Liga).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.