Juventus confirma contratação de De Ligt

A Juventus confirmou esta quinta-feira a contratação do jogador que alinhava no Ajax, dois dias depois de o defesa central holandês ter chegado a Turim, anunciou o clube octocampeão italiano.

O clube dos portugueses Cristiano Ronaldo e João Cancelo anunciou a aquisição de internacional holandês, de 19 anos, por cinco temporadas, até 30 de junho de 2024, por 75 milhões de euros (ME), mais 10,5 milhões por objetivos.

De Ligt tornou-se no terceiro jogador mais caro da história da vecchia signora, depois de Cristiano Ronaldo, que custou 105 ME, e do argentino Gonzalo Higuain, contratado por 90 ME. É ainda o segundo defesa mais caro de sempre, atrás do compatriota Virgil van Dijk, pelo qual o Liverpool pagou 84,5 ME ao Southampton.

"Mestria técnica, capacidade física, visão de jogo, gestão e interpretação da dinâmica defensiva, propensão marcar, especialmente de cabeça: Matthijs é uma síntese perfeita do defesa moderno", elogiou a Juventus, em comunicado.

O central destacou-se na época 2018/18, quando Ajax eliminou a Juve nos quartos-de-final da Liga dos Campeões. Nessa eliminatória, De Ligt marcou o golo da vitória por 2-1, na segunda mão, em Turim, depois de as equipas terem empatado a 1-1 no primeiro jogo.

Já na Liga das Nações, em junho, na final em que a Holanda perdeu com Portugal, por 1-0, o defesa revelou que, no final, Cristiano Ronaldo lhe pediu para ir para a Juventus. "No início não percebi. Não disse nada. Fiquei um pouco em choque, por isso é que me ri. Mas não disse nada", revelou então o internacional holandês.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.