Jogadores da Dinamarca falham jogo da Liga das Nações

Jogadores e Federação não chegaram a acordo para os contratos de patrocínio. Futebolistas não vão comparecer aos jogos com Eslováquia e País de Gales

A Liga das Nações só vai arrancar esta quinta-feira mas já está a ficar marcada por uma bronca. A Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU) anunciou que os jogadores chamados não vão comparecer aos jogos previstos com a Eslováquia (dia 5, particular) e o País de Gales (dia 9, a contar para a Liga das Nações), devido a um conflito entre as partes.

Os convocados do selecionador Age Hareide não chegaram a acordo pelos contratos de patrocínio da seleção, o que motivou um regresso dos futebolistas aos seus clubes de origem.

Sob a ameaça de multas e exclusões em caso de falta de comparência, a DBU procura futebolistas que estejam disponíveis para representar a seleção.

"É uma situação profundamente lamentável. Tanto para a equipa, adeptos e todos os que estão envolvidos no futebol dinamarquês. Esperávamos que os jogadores comparecessem quando lhes oferecemos os mesmos subsídios, bónus, seguro pago e melhores condições de voo, cozinha e tratamento. Agora estamos a trabalhar para encontrar os melhores jogadores possíveis para disputar os dois jogos pela Dinamarca. É crucial para o futuro do futebol dinamarquês. Se os jogos não forem jogados, podemos ter de enfrentar milhões de multas e exclusões e o futebol dinamarquês será devolvido à Idade da Pedra em muitas área", disse o CEO da DUB, Claus Bretton-Meyer, num site do órgão federativo.

No ano passado, a seleção feminina da Dinamarca boicotou um encontro de qualificação para o Campeonato do Mundo, contra a Suécia, em protesto por melhorias das condições de trabalho. Como resultado, a UEFA atribuiu uma vitória por 3-0 às suecas e uma multa de 20 mil euros à DBU, que foi avisada que seria retirada de todos os torneios da UEFA se algo idêntico voltasse a acontecer num prazo de quatro anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.