João Mário e Wilson Eduardo. Dois irmãos, duas seleções

Médio do Inter Milão está ao serviço da seleção portuguesa e o irmão foi convocado pela primeira vez para a equipa nacional de Angola.

João Mário está em grande forma no Inter Milão e voltou a ser chamado à seleção nacional portuguesa, numa jornada em que vê o irmão Wilson Eduardo (Sp. Braga) estrear-se por Angola, o país dos pais.

O avançado do Sp. Braga foi convocado para representar pela primeira vez a seleção angolana. Aos 28 anos o internacional sub-21 por Portugal optou pela equipa nacional de Angola depois de nunca ter sido chamado a representar as cores da principal seleção de Portugal.

Filho de pais angolanos, o extremo nasceu em Massarelos, no Porto, e deu os primeiros passos nos dragões, mudando-se depois para o Sporting, onde esteve 13 temporadas e viu o irmão João Mário aparecer. Sem tantas oportunidades como gostaria de ter, deixou Alvalade para rumar a Braga em 2015/16, tendo vencido uma Taça de Portugal logo na primeira época.

A jogar a quarta temporada como guerreiro do Minho, Wilson Eduardo prepara-se para se estrear por Angola, domingo, e logo num jogo decisivo da fase de qualificação para a CAN 2019 frente ao Burquina Faso. Os angolanos ocupam a terceira posição do grupo I, com seis pontos, menos um do que o Burquina Faso e menos três que o primeiro classificado, a Mauritânia.

Antes disso, no sábado, entra em campo João Mário, o mano mais novo, com a seleção nacional portuguesa, num jogo com a Itália, no campo onde joga habitualmente com a camisola do Inter.

Wilson Eduardo e João Mário já jogaram um contra o outra por mais de uma vez e poderão fazê-lo de novo em caso de haver um Portugal-Angola. Os jogadores têm ainda mais um irmão, Hugo Eduardo, que é jogador de fustal do Quinta dos Lombos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.