João Amaral não chegou a jogar pelo Benfica, mas teve estreia de sonho pelo Lech Poznan

Extremo contratado pelas águias ao Vitória de Setúbal neste defeso mas já transferido para o clube polaco entrou aos 70 minutos e marcou aos 89', em partida da Liga Europa

João Amaral foi contratado já este verão pelo Benfica ao Vitória de Setúbal, ainda treinou às ordens de Rui Vitória, mas não chegou a disputar sequer um jogo particular e foi transferido para os polacos do Lech Poznan, clube pelo qual teve uma estreia de sonho esta quinta-feira.

O extremo de 26 anos saltou do banco aos 70 minutos no encontro na visita aos bielorrussos do Shakhtyor Soligorsk, relativo à primeira-mão da segunda pré-eliminatória da Liga Europa, e marcou o golo do empate aos 89', sentenciando o 1-1 final, numa partida em que o compatriota e companheiro de equipa Pedro Tiba atuou os 90'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.