Islândia fica sem selecionador

Heimir Hallgrimsson foi co-treinador no Euro 2016, juntamente com o sueco Lars Lagerback, tendo assumido o comando técnico absoluto após o evento francês. No Mundial os nórdicos ficaram-se pela fase de grupos

O treinador Heimir Hallgrimsson vai deixar o cargo de selecionador da Islândia, depois ter levado a seleção ao seu primeiro Europeu e Campeonato do Mundo, anunciou esta terça-feira a Federação de Futebol do país.

O treinador islandês decidiu deixar o cargo que exerceu durante sete anos, depois de ter qualificado a Islândia para o Mundial 2018, na Rússia, no qual os islandeses foram eliminados na fase de grupos.

Heimir Hallgrimsson foi também co-treinador da seleção nórdica em 2016, juntamente com o sueco Lars Lagerback, e conseguiu levar a equipa aos quartos de final do Europeu, o primeiro dos islandeses, que acabaram eliminados pela vice-campeã França (5-2).

Após a saída de Lagerback, Hallgrimsson assumiu o total controlo da Islândia, que no Mundial 2018 empatou o primeiro jogo do Grupo D, frente à Argentina (1-1), e perdeu o segundo e o terceiro, frente à Nigéria (2-0) e Croácia (2-1), respetivamente, terminando no último lugar do grupo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.