Islândia fica sem selecionador

Heimir Hallgrimsson foi co-treinador no Euro 2016, juntamente com o sueco Lars Lagerback, tendo assumido o comando técnico absoluto após o evento francês. No Mundial os nórdicos ficaram-se pela fase de grupos

O treinador Heimir Hallgrimsson vai deixar o cargo de selecionador da Islândia, depois ter levado a seleção ao seu primeiro Europeu e Campeonato do Mundo, anunciou esta terça-feira a Federação de Futebol do país.

O treinador islandês decidiu deixar o cargo que exerceu durante sete anos, depois de ter qualificado a Islândia para o Mundial 2018, na Rússia, no qual os islandeses foram eliminados na fase de grupos.

Heimir Hallgrimsson foi também co-treinador da seleção nórdica em 2016, juntamente com o sueco Lars Lagerback, e conseguiu levar a equipa aos quartos de final do Europeu, o primeiro dos islandeses, que acabaram eliminados pela vice-campeã França (5-2).

Após a saída de Lagerback, Hallgrimsson assumiu o total controlo da Islândia, que no Mundial 2018 empatou o primeiro jogo do Grupo D, frente à Argentina (1-1), e perdeu o segundo e o terceiro, frente à Nigéria (2-0) e Croácia (2-1), respetivamente, terminando no último lugar do grupo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.