Frederico Varandas: "A minha equipa não dá hipóteses a nenhuma outra"

O médico formalizou esta terça-feira a sua candidatura às eleições do Sporting com a entrega das assinaturas em Alvalade

O médico Frederico Varandas entregou esta terça-feira nos serviços do Sporting as assinaturas para formalizar a sua candidatura ás eleições marcadas para o dia 8 de setembro. "A minha equipa não dá hipóteses a nenhuma outra", garantiu, lembrando que foi "o primeiro a dar a cara, ainda antes da Assembleia Geral destitutiva".

"Fomos os primeiros a avançar com a candidatura e somos os primeiros a formalizá-la. Sempre estivemos um passo à frente e é assim que queremos chegar ao fim, sempre um passo à frente. Este é o consumar do projeto de uma equipa sólida que vai servir o Sporting. É uma equipa muito boa, vamos para vencer e para pôr o Sporting a vencer. A minha equipa não dá hipóteses a nenhuma outra", sublinhou Frederico Varandas, ex-diretor clínico dos leões.

Esta formalização de candidatura surge um dia depois de José Maria Ricciardi ter anunciado que também vai concorrer com uma lista ao ato eleitoral, algo que Varandas não deu muita importância. "Estamos para ganhar, temos uma candidatura muito forte, não olhamos para ninguém. O meu projeto, a minha equipa fala por nós", frisou.

O primeiro candidato oficial às eleições do Sporting, aproveitou ainda para deixar uma bicada ao ex-presidente Bruno de Carvalho. "Sei que há uma minoria que gostaria que eu dissesse que o Sporting vai perder a maioria do capital da SAD e desinvestir nas modalidades. Há uma minoria que disse que Ricciardi e outras pessoas estavam por trás da minha candidatura e agora, afinal, estão é contra mim, estão a ver?... Essas teorias conspirativas da carochinha já nenhum sportinguista engole. Quero um Sporting forte, com maioria na SAD, a continuar a vencer nas modalidades e a passar a vencer no futebol", atirou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.