France Football reedita beijo fraternal com Messi e Ronaldo

Revista francesa lança a questão sobre quem é afinal o melhor jogador do mundo, quando se comemoram dez anos da rivalidade entre os dois jogadores. Ilustração da capa é inspirada no beijo fraternal de 1979 entre os líderes comunistas Brejnev e Honecker

A edição desta semana da revista France Football já está a causar furor nas redes sociais. Tudo porque a capa é ilustrada com um desenho de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi a darem um beijo na boca e com uma pergunta: "És Messi ou Ronaldo?".

A ideia da revista francesa, que vai esta terça-feira para as bancas, é inspirada no célebre beijo fraternal entre os líderes comunistas da Guerra Fria, Leonidas Brejnev (URSS) e Erich Honecker (RDA), em 1979. Uma fotografia que ficou célebre e deu origem a um mural em 1989, com a queda do muro de Berlim, da autoria do artista russo Dimitri Vrúbel.

O trabalho da France Football é mais um sobre quem é afinal o melhor jogador do mundo, numa altura em que se completam 10 anos da rivalidade entre os dois grandes craques de futebol. "Faz dez anos que eles fazem o coração dos amantes do futebol bater, o suficiente para motivar paixões e discussões", podia ler-se na versão online da revista francesa, que ouviu as opiniões de várias antigas estrelas do futebol, casos de Stoitchkov, Papin, Carragher, Robben, Marco Tardelli e Philipp Lahm.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.