Florentino é o 32.º 'made in' Seixal na equipa principal em época de recorde de estreias

Inaugurada a 22 de setembro de 2006, centro de formação das águias já promoveu mais de três dezenas de jogadores à equipa principal. Meia dúzia de estreias em 2018/19, a temporada mais frutífera, com Gedson, Alfa Semedo, João Félix, Jota, Ferro e Florentino

32 jogadores made in Seixal lançados na equipa principal do Benfica, em cerca de 12 anos e meio de Caixa Futebol Campus. Florentino Luís, lançado aos 62 minutos da goleada deste domingo sobre o Nacional (10-0), é o último nome da extensa lista de jogadores que passaram pelas camadas jovens encarnadas já no centro de formação inaugurado a 22 de setembro de 2006 e fez com que a presente época se tornasse recordista nessa matérias: seis.

Se José Antonio Camacho foi o primeiro a aproveitar a moderna infraestrutura das águias, lançando Miguel Vítor, Romeu Ribeiro e Yu Dabao nos primeiros meses da temporada 2007/08, Bruno Lage foi o último a dar sequência ao projeto, promovendo a estreia do central Ferro na última quarta-feira frente ao Sporting e agora a do médio Florentino Luís. Isto numa época em que Gedson Fernandes, Alfa Semedo, João Félix e Jotajá tinham tido oportunidades pela mão de Rui Vitória, o treinador que mais produtos do Seixal fez estrear: 15 (em três anos e meio).

Jorge Jesus promoveu 12

Após Yu Dabao se ter estreado pela equipa principal do Benfica a 26 de setembro de 2007, frente ao Estrela da Amadora, foi preciso esperar mais de dois anos para que o avançado chinês conhecesse um sucessor. Na altura, foi o central Roderick Miranda, a quem Jorge Jesus deu uma oportunidade num jogo da fase de grupos da Liga Europa frente ao AEK Atenas, a 17 de dezembro de 2009.

Depois de Roderick, hoje no Olympiakos, quase dois anos sem estreias made in Seixal. Os meninos que se seguiram foram Nélson Oliveira e David Simão, numa partida em Portimão para a Taça de Portugal a 14 de outubro de 2011, e Luís Martins três semanas mais tarde. Em 2012/13, época de estreia da equipa B, foi promovido André Gomes, com Ivan Cavaleiro, Lindelof, Bernardo Silva, Hélder Costa e João Cancelo a surgirem na temporada seguinte, 2013/14, que até há uma semana era recordista de estreias.

Ainda com Jorge Jesus ao leme, Gonçalo Guedes e João Teixeira também experimentaram a sensação de vestir pela primeira vez a principal camisola encarnada, em outubro e dezembro de 2014, respetivamente.

Rui Vitória de Nuno Santos a Jota

O promoção de produtos da formação à equipa principal ganhou um novo impulso com a chegada de Rui Vitória, no verão de 2015. Mesmo sem contabilizar Nélson Semedo, que chegou ao Benfica já sénior e passou apenas pela equipa B antes da estreia pela formação principal, o treinador ribatejano lançou quatro promissores futebolistas na sua primeira época. Nuno Santos foi o primeiro, numa goleada ao Belenenses em setembro. Seguiu-se Clésio, lateral direito titular num jogo com o Tondela que ficou marcado... pela estreia de Renato Sanches, suplente utilizado nessa partida de 30 de outubro. Quase dois meses depois, mais um nome de peso a ser lançado: o guarda-redes Ederson.

Na época seguinte, foi projetado Yuri Ribeiro num jogo da Taça de Portugal com o Real Sport Clube e Pedro Pereira e Kalaica na última jornada da I Liga, no Bessa, com o título já assegurado.

Por esta altura, o Benfica estava a demonstrar que era possível conciliar competitividade e lançamento de jogadores da formação, pelo que manteve a aposta em 2017/18, resgatando Bruno Varela ao Vitória de Setúbal e promovendo Diogo Gonçalves, Rúben Dias e João Carvalho. No entanto, dessa vez a aposta não surtiu efeito, tanto que apenas Rúben Dias se afirmou na equipa principal.

Porém, o projeto não ficou abanado. Rui Vitória convenceu Gedson Fernandes e João Félix a abdicarem do Campeonato da Europa de sub-19 - que Portugal veio a conquistar - e recuperou Alfa Semedo ao Moreirense. O primeiro tornou-se internacional AA ainda antes de passar pelos sub-21, o segundo virou nova coqueluche do Benfica e vai acumulando capas de jornais e o terceiro, embora esteja emprestado ao Espanyol, também deixou boas indicações. Por fim, ainda houve tempo para a estreia de João Filipe, mais conhecido no mundo do futebol por Jota, que alinhou os últimos minutos no jogo frente ao Sertanense para a Taça de Portugal antes de ser promovido em definitivo por Bruno Lage.

Por falar em Bruno Lage: nove jogos à frente da equipa principal, quatro promoções e duas estreias. Além da promoção de Jota, houve as de Zlobin, Ferro e Florentino Luís. Os dos últimos já se estrearam, o guarda-redes russo terá de esperar mais um pouco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.